O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, disse nesta terça-feira (15), em uma entrevista à GloboNews, que a "Petrobras foi saqueada em um volume sem paralelo" no Governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Os dizeres do ministro são uma resposta às declarações da defesa do líder do PT, que afirma que Lula sofre perseguição política e que Moro teria sido parcial em suas decisões quando estava à frente da Lava Jato.

De acordo com o ministro do governo Jair Bolsonaro, Lula já não faz mais parte do seu presente e nem do seu futuro. Moro ressaltou que todas as suas decisões foram confirmadas na segunda instância por desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). Diante disso, ele afirma que todas as insinuações feitas pela defesa do petista sobre a sua pessoa estão equivocadas.

Lula está preso na Superintendência da Policia Federal em Curitiba, condenado por corrupção e lavagem de dinheiro na ação do triplex em Guarujá.

O petista afirma que sofre perseguição política e diz que não existem provas contra ele. Em seu interrogatório mais recente frente à juíza Gabriela Hardt, ele criticou Moro por sua atuação na Lava Jato.

Desabafo

Na entrevista, Moro acabou desabafando e explicou que o grande problema que existe é o roubo gigantesco na qual a estatal petrolífera foi alvo no governo petista. Segundo o ex-magistrado, a própria Petrobras admitiu desvios de R$ 6 bilhões.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Sergio Moro Lula

Moro deixou uma pergunta no ar e acabou ele próprio respondendo: "Pra onde foi esse dinheiro?". Para o ministro, esse dinheiro serviu para enriquecer agentes públicos e, consequentemente, beneficiar o ex-presidente.

O ministro da Justiça ainda disse que falar em perseguição política é o mesmo que dizer que a corrupção não existiu, o que, segundo ele, não é verdade diante de todas as investigações realizadas.

Porte de armas

Em relação ao decreto sobre a flexibilização da posse de armas assinado, nesta terça, pelo presidente Jair Bolsonaro, Moro resumiu em "ponderado".

De acordo com o ministro, várias críticas surgiram em relação a esse assunto, tanto de pessoas favoráveis e contrárias ao decreto. Moro enfatizou que pessoas que não querem ter arma em casa não são obrigadas a ter, entretanto, pediu respeito para aqueles que preferem ter a arma como uma forma de buscar mais segurança.

No entanto, o ministro afirmou que as pessoas não terão acesso a armamentos pesados.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo