As eleições para a Presidência da República, Senado, Câmara e Governos estaduais agitaram o Brasil em 2018. A política dividiu o país em dois lados, tanto em nível nacional quanto em nível regional, e políticos tradicionais, muitos deles, não conseguiram reeleição. Este não foi o caso de Jean Wyllys (PSOL-RJ), que acabou levando uma das últimas vagas à Câmara Federal. Entretanto, uma notícia que surgiu nesta quinta-feira (24) revelou que o político decidiu abrir mão de seu mandato e sair do país.

Publicidade
Publicidade

Aliás, essa promessa já havia sido feita anteriormente pelo político, que também é ex-BBB.

O político, que ficou famoso por defender causas LGBT e chegou quase às vias de fato contra o atual presidente Jair Messias Bolsonaro (PSL), quando os dois eram deputados federais, revelou em seu perfil em uma rede social que está sendo ameaçado. Na mensagem de despedida, o político afirou: “preservar a vida ameaçada é também uma estratégia da luta por dias melhores".

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Famosos

PSOL confirma saída de Jean Wyllys

A assessoria de imprensa do PSOL confirmou a informação de que o candidato deixará seu mandato para o suplente David Miranda (PSOL). Por conta disto, não haverá perda de bancada do partido no Congresso Nacional.

Jean Wyllys curte férias fora do país. O deputado Ivan Valente (PSol/SP) também confirmou publicamente a decisão de seu colega de partido e também disse que a decisão já havia sido previamente negociada e informada a colegas e ao partido. O político finalizou a comunicação confirmando também que Jean estava sofrendo ameaças, sem especificar qual a origem ou conteúdo das mesmas.

Publicidade

Folha revela que Caso Marielle teve peso na decisão do político

O Caso Marielle (PSol/RJ) ficou conhecido nacional e internacionalmente e também teve peso na decisão do político. Tudo porque, segundo investigações do caso, um líder miliciano, ex-pm, que pode ter envolvimento com o assassinato da política, teve a mãe e a esposa empregadas no gabinete de Flávio Bolsonaro, que foi eleito senador e é filho do presidente da República, Jair Bolsonaro.

Segundo Jean, os ataques homofóbicos que ele afirma ter sofrido pelo presidente também influenciaram em sua decisão.

A publicação na íntegra pode ser vista a seguir.

Jean Wyllys é o primeiro político abertamente gay a defender a agenda LGBT no Congresso.

Publicidade

O político também participou e venceu a quinta edição do BBB, a mesma de Grazi Massafera.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo