Durante a realização de uma entrevista à TV Câmara, o deputado Edmilson Rodrigues, do PSOL do estado do Pará, fez comentários relacionados à saúde do presidente da República, Jair Messias Bolsonaro. Entretanto, as palavras proferidas pelo parlamentar a respeito do mandatário brasileiro acabaram repercutindo mal e suscitando grande polêmica.

Edmilson Rodrigues chegou a afirmar, na última quinta-feira (07), que o presidente da República, Jair Bolsonaro, "está para morrer".

O psolista teria feito essas declarações em alusão à situação do estado de saúde do mandatário do país, que encontrava-se com suspeita de pneumonia, segundo boletim médico divulgado pelo Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, onde Bolsonaro encontra-se internado após cirurgia de retirada de uma bolsa de colostomia.

Aliados do governo rebatem deputado do PSOL

Após a divulgação das declarações do deputado do PSOL, Edmilson Rodrigues, alguns aliados do governo de Jair Bolsonaro, repudiaram, de modo veemente, as falas do parlamentar e inclusive, ameaçaram acionar o Conselho de Ética da Câmara dos Deputados.

Ainda durante a entrevista à TV, o deputado Edmilson Rodrigues fora questionado a respeito do pacote anticrime do ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro.

Em resposta à indagação da jornalista da TV Câmara, o parlamentar do PSOL respondeu que o presidente Bolsonaro teria sido constrangido em reassumir o cargo de presidente, mesmo estando internado em leito hospitalar, pelo fato de o mandatário do país não sentir confiança no vice-presidente da República, Antônio Hamilton Martins Mourão, que seria um general de carreira.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro

Em tom de desacordo com as medidas tomadas pelo governo do presidente Jair Bolsonaro, o deputado Edmilson rodrigues ressaltou que seu partido buscará "inviabilizar na medida do possível", medidas que sejam consideradas pelos integrantes do PSOL, como "contrárias ao interesse nacional e ao interesse público".

Entretanto, vale ressaltar que, conforme apurado pelo jornal O Estado de S. Paulo, haveria algum tipo de resistência por parte dos filhos do presidente Jair Bolsonaro, em relação à permissão para que o vice-presidente, general Mourão, assuma, de modo interino, o governo do país, já que o presidente encontra-se internado para recuperação de uma delicada cirurgia de retirada da bolsa de colostomia.

Alguns ministros do governo Bolsonaro, como o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni e Gustavo Bebianno, da Secretaria-Geral da Presidência, também teriam demonstrado posicionamento contrário a uma interinidade do vice-presidente a frente do governo do país.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo