Em uma entrevista concedida à agência Reuters e repassada pelo jornal Folha de S.Paulo, o vice-presidente da República, Antônio Hamilton Martins Mourão, se manifestou sobre o drama venezuelano, em se tratando da ditadura de Nicolás Maduro. Na última quinta-feira (14), o general Mourão comentou a respeito de prazos relacionados à suposta queda do presidente do país vizinho.

Mourão acredita que seja difícil, por ora, estimar prazos para essa situação, mas ressaltou que o ditador venezuelano "pode cair de uma hora para outra". O vice-presidente prosseguiu, ao afirmar que isso deverá ocorrer como um "castelo de cartas".

'Ventinho' e queda do ditador da Venezuela

Ao relatar à agência internacional o clima de crise política, institucional e econômica da Venezuela, o general Mourão considerou, de modo taxativo, que em relação a Nicolás Maduro "às vezes dá um ventinho e ele cai da noite para o dia".

Contudo, Mourão fez uma comparação com o muro de Berlim, que, segundo Mourão, ninguém estaria acreditando que cairia, porém, acarretou que o muro caísse da noite para o dia, ao concluir, que a Venezuela poderia trilhar esse mesmo caminho.

Entretanto, vale ressaltar que o Governo brasileiro, desde quando se iniciou sob a gestão do presidente Jair Bolsonaro, aumentou uma pressão automática sob a Venezuela. Uma da principais ações tomadas pelo governo brasileiro trata-se do reconhecimento da decisão em aceitar o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó. A comunidade internacional vem reconhecendo gradativamente o presidente interino como legítimo.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo

O governo do presidente Jair Bolsonaro, nesta semana, autorizou um grupo do presidente interino Juan Guaidó, para que pudesse abrir um ponto de estoque relacionado à ajuda humanitária no estado de Roraima, que faz divida com a Venezuela, na região Norte do Brasil.

O general Mourão já chegou a ser adido militar na Venezuela (cargo exercido por um oficial das Forças Armadas acreditado junto a uma representação diplomática com a finalidade de trabalhar em estreita ligação com as autoridades militares locais), e conhece muito bem o país vizinho, porém, ressaltou que não existe risco de que o Brasil venha a se envolver diretamente com a situação do país governado por Nicolás Maduro.

Porém, o vice-presidente brasileiro foi taxativo ao afirmar que o Brasil não possuiria relações diretas com as Forças Armadas da Venezuela.

Ao discernir sobre outro assunto espinhoso, Mourão acredita que seja uma hipótese remota a possibilidade de que o Brasil mude a embaixada do país em Israel, para a cidade de Jerusalém, que é reivindicada tanto por israelenses, quanto por palestinos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo