O presidente da República, Jair Bolsonaro, concedeu um rápido discurso nesta quinta-feira (28), durante uma transmissão ao vivo em sua página oficial do Facebook, e confirmou a criação do cartão-caminhoneiro, que seria, no caso, uma garantia na compra de diesel pelos motoristas sem a oscilação de preços do combustível durante os trajetos feitos. Essa era uma das principais reclamações da categoria. Além disso, Bolsonaro também criticou o excesso de radares nas rodovias. Ele comentou que pretende eliminar os radares de velocidade em rodovias federais do país, inclusive aquelas que são administradas por concessionárias privadas.

O presidente afirmou que, dentro de 90 dias, já sairá o cartão-caminhoneiro. Dessa forma, o motorista passará no posto de combustível e abastecerá o caminhão com o preço do diesel do dia, sem nenhuma variação. Isso ajudará muito a categoria, pois o motorista não será mais surpreendido, durante suas viagens, com alterações nos preços, que, por vezes, consumia todo o seu frete.

Bolsonaro anunciou as novidades juntamente com o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e de um intérprete de Libras. A live do presidente durou aproximadamente 17 minutos. Jair Bolsonaro comentou com entusiasmo sobre a decisão da Petrobras de que não vai alterar o preço do diesel em intervalos inferiores a 15 dias.

Indústria da multa

O presidente afirmou que uma das medidas do Governo será a exclusão de radares de velocidade em rodovias federais, isso engloba também radares em rodovias privadas. Segundo ele, ninguém aguenta mais "novos pardais no Brasil" que visam tirar o dinheiro das pessoas com as multas eletrônicas.

Na visão do presidente, o número alto de radares nas rodovias é considerado um tipo de "indústria da multa".

Bolsonaro reiterou que os contratos vencidos com as empresas que implantam radares não serão renovados.

Reforma da Previdência

Durante seu pronunciamento no Facebook, o presidente também citou a importância da reforma da Previdência para o futuro do país. Segundo ele, o pagamento de aposentadorias, da forma como está sendo realizado hoje, estaria comprometido mais para frente.

Por essa razão, ele frisa a necessidade da reforma proposta pelo governo.

Em relação aos atritos com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, Bolsonaro disse que todo o desentendimento já foi superado.