Nesta segunda-feira (25), o porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, fez o anúncio de que o presidente Jair Bolsonaro determinou ao Ministério da Defesa fazer as "comemorações devidas" aos 55 anos do golpe que deu início ao regime militar. O regime militar, responsável por depor o presidente João Goulart, durou 21 anos e teve início no dia 31 de março de 1964.

Segundo o porta-voz, Bolsonaro não considera que o 31 de março foi marcado por um "golpe militar".

De acordo com o presidente, a data marcou o momento em que a sociedade, reunindo civis e militares, ao perceber o suposto perigo em que o país se encontrava, conseguiu recolocá-lo no caminho e livrar o Brasil de um governo que não seria bom para a população. Bolsonaro considera a "ditadura militar" como um "regime com autoridade" e já possuía essa opinião desde o tempo em que era deputado.

Segundo Rêgo Barros, as comemorações devem incluir uma ordem do dia, a qual já foi aprovada pelo presidente.

A imprensa questionou o porta-voz sobre o significado de "comemorações devidas". Ele respondeu que é aquilo que os comandantes acharem conveniente dentro de suas guarnições. Na semana passada o porta-voz havia informado que não seria feito nenhum tipo de comemoração à data.

A Comissão da Verdade --instituição criada no governo Dilma Rousseff para descobrir violações de direitos humanos no período militar-- registrou que 434 pessoas desapareceram durante o regime militar ou foram mortas por ele.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro

Apenas 33 corpos conseguiram ser encontrados.

Além disso, em 2014, a Comissão entregou a Dilma um documento apontado a responsabilidade dos crimes a 377 pessoas. Esses foram responsáveis por mortes e desaparecimentos durante o período ditatorial.

Mais informações do porta-voz da presidência

Sobre a reforma da Previdência e as recentes polêmicas envolvendo a sua votação, o porta-voz revelou que Bolsonaro está disposto a manter a paz nas relações com os deputados e senadores.

Além disso, ele informou que o presidente fará os esforços que forem precisos para o avanço da proposta.

Em relação a mudança da embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém, o presidente fará um estudo mais profundo sobre a questão em momento oportuno.

Rêgo Barros ainda informou que o presidente fará os últimos exames para avaliar o seu estado de saúde após a retirada da bolsa de colostomia e ligação entre intestino grosso e delgado.

Bolsonaro fará a consulta na quarta-feira (27), no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo