O deputado federal pelo PSL Eduardo Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (12), em uma entrevista divulgada pelo jornal O Globo, que o assassinato da vereadora Marielle Franco é o mesmo que acontece com muitas outras pessoas no Brasil. De acordo com ele, "ninguém conhecia quem era Marielle Franco antes de ela ter sido assassinada".

Para o filho do presidente Jair Bolsonaro, a oposição tenta associar a morte dela a seu pai.

Questionado se a família dele teria alguma relação com os suspeitos que foram presos, já que parentes deles haviam sido lotados no gabinete do seu irmão Flávio Bolsonaro, o parlamentar reiterou que não existia nenhum tipo de contato com esses acusados. Dois ex-policiais foram presos em uma ação conjunta da Polícia Civil com o Ministério Público do Rio, nesta terça (12), e foram alvos de apreensão de objetos em suas casas, como computadores e armas.

Eduardo Bolsonaro citou que há um "desespero" de querer culpar seu pai pela morte da vereadora.

Para o deputado, a imprensa é um pouco culpada por tudo isso. Para Eduardo, a mídia vive criando coisas e informações inverídicas para prejudicar o governo e sua família. Segundo o parlamentar, todo mundo começou a conhecer a vereadora após a notoriedade de notícias que traziam seu nome na mídia. Em tom de desabafo, o parlamentar repudia aqueles que querem associar a morte dela com o seu pai.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Jair Bolsonaro

Para ele isso é algo absurdo.

De acordo com Eduardo Bolsonaro, ele e sua família não possuem nenhuma relação com a milícia. Ele citou que seu pai, Jair Bolsonaro, tira várias fotos com policiais e não é por isso que ele deve ser responsabilizado por cada um deles. Eduardo também comentou que seu irmão Flávio deu uma medalha, em 2004, para um dos ex-policiais presos e só por isso agora querem achar que Flávio tem alguma ligação com o suspeito.

Prisão dos suspeitos

Nesta terça (12), foram presos Ronnie Lessa e Élcio Vieira Queiroz. Entretanto, Eduardo Bolsonaro disse que não acompanhou o caso.

Ele ressaltou que o assassinato de Marielle não é diferente de outros casos que acontecem no país. Ele citou que se uma pessoa mata ele, o jornalista, ou qualquer outra pessoa, tudo é a mesma coisa. Segundo o parlamentar, os assassinatos estão acima de qualquer posição política e os crimes devem ser elucidados.

A reportagem do jornal O Globo questionou que surgiu informações de um suposto namoro de um dos filhos do presidente com a filha de um dos policiais presos. Eduardo disse que não lembra o nome de todas as suas ex-namoradas, mas disse que não namorou nenhuma filha de PM. Ele concluiu: "se essa informação for verdade, não sou eu não".

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo