Nessa quarta-feira (6), o jornalista norte-americano Cody Weddle e seu assistente venezuelano, Carlos Camacho, foram presos na cidade de Caracas, capital da Venezuela. Os profissionais foram detidos por membros do Serviço de Inteligência militar do Governo de Nicolás Maduro e passaram mais de 12 horas sob custódia de autoridades locais.

O Sindicato Nacional de Trabalhadores da Imprensa (SNTP) contou que na manhã desta quarta Weddle teve seu equipamento confiscado e foi detido em sua residência.

Nesta ocasião também prenderam o assistente do norte-americano.

Os dois profissionais foram interrogados por agentes de contra-inteligência do governo de Nicolás Maduro. Mesmo após anistia sugerida pelo autoproclamado presidente interino Juan Guaidó, o comando militar venezuelano ainda apoia Nicolás Maduro.

Porque prenderam o jornalista Cody Weddle

De acordo com a WPLG, canal que o jornalista presta serviços, seu último trabalho no país foi uma cobertura sobre a volta do de Guaidó à Venezuela.

Em uma rede social, o jornalista publicou na íntegra sua reportagem na qual destacava uma "triunfante volta do presidente interino" à capital do país. Os indícios apontam que essa publicação levou os militares que ainda são ligados ao regime de Maduro a prenderem Weddle e seu assistente.

A volta para casa

Na quarta-feira, o governo dos Estados Unidos também informou que vai revogar os vistos de 77 venezuelanos ligados ao presidente Nicolás Maduro.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo Tendências

A intenção é deliberar os esforços para tirar o líder do poder na Venezuela.

O governo norte-americano já reconheceu Guaidó como legítimo chefe de estado e a prisão dos jornalistas motivou ainda mais protestos na cidade de Washington, capital dos Estados Unidos.

Depois do anúncio da detenção do jornalista norte-americano pelos oficiais venezuelanos, diversos órgãos e autoridades exigiram a libertação do profissional, como Luis Almagro, secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA); Edison Lanza, relator especial para a Liberdade de Imprensa da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA, e ainda a Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP).

Cody tem 29 anos e trabalha como correspondente para a emissora WPLG –afiliada da rede de televisão ABC, da Flórida. De acordo com o Sindicato Nacional de Trabalhadores da Imprensa, o jornalista já foi levado para o aeroporto internacional Simón Bolívar e logo vai ser deportado. O canal WPLG acrescenta que Cody Weddle voltará para os Estados Unidos ainda nesta noite.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo