Em vídeo publicado no YouTube, no dia 17 de abril, o Dr. Drauzio Varella alerta para o risco dos cortes anunciados pelo governo no Censo 2020, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A confirmação de que a verba empregada no Censo Demográfico será reduzida em 25% foi anunciada no dia 10 de abril, quarta-feira, segundo a página do Valor Econômico, após pressões sobre o IBGE em Brasília.

Em nota oficial, o instituto declarou que está sendo feita uma revisão da operação que, de 10 em 10 anos, faz o mapeamento mais abrangente do país desde 1940.

Publicidade
Publicidade

Atualmente contendo 119 perguntas em sua versão por amostragem, o Censo coleta dados detalhados sobre a população brasileira a fim de mostrar a situação das diversas regiões e guiar políticas públicas que visem à melhora do Brasil como um todo.

O maior temor referente à redução de verba está no número de contratados, que terão uma remuneração mais baixa, e no modo como irão se locomover pelo país. A reformulação das perguntas deve ocorrer para que a pesquisa responda apenas a aspectos "fundamentais", para que os recenseadores fiquem menos tempo em cada casa e possam percorrer um número maior de domicílios no mesmo dia.

Publicidade

Crise no IBGE

Ainda em fevereiro, a nova presidente do IBGE, Susana Cordeiro Guerra, comentou durante sua cerimônia de posse sobre a difícil situação enfrentada pelo órgão, que havia perdido mais de 30% de seus funcionários. Embora Paulo Guedes, responsável pela indicação de Guerra, tivesse adiantado a necessidade de simplificar o Censo, ela mesma declarou que a pesquisa seria uma prioridade.

Em entrevista para a Globo News, Paulo Guedes chegou a dizer que a pesquisa tinha perguntas demais, alegando, de maneira equivocada, que o Censo de países desenvolvidos conteria apenas 10 questões –algo que, na verdade, só ocorre nos Estados Unidos.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo

Os países membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) têm estudos com a mesma média de perguntas realizadas no Brasil, em torno de 100.

Na verdade, apenas o questionário por amostragem, aplicado a 11% da população, contém 119 perguntas. A versão básica é composta por 49 questões, estas, sim, respondidas por todas as casas do país.

Na ocasião da posse, Guedes ainda brincou que "quem pergunta demais acaba descobrindo demais", colocando-se na contramão das tendências mundiais em relação aos estudos demográficos –afinal, quanto mais se pergunta e se descobre, mais acertadas podem ser as decisões governamentais em direção ao bem-estar da população.

Esclarecimentos sobre a atuação do IBGE

No início de abril, ao comentar sobre o aumento do desemprego no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro criticou os métodos adotados pelo IBGE, fazendo também afirmações equivocadas em entrevista à Record TV. A metodologia do Instituto segue as diretrizes da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que separa pessoas sem ocupação em categorias específicas, de acordo não apenas com a realização de atividade remunerada, mas também com o fato de estarem ou não procurando emprego.

Publicidade

Ao contrário daquilo que foi declarado pelo presidente, beneficiários do Bolsa Família não são automaticamente classificados como "não-empregados", havendo inclusive um outro estudo anual voltado para aferir as ocupações de quem recebe o benefício.

O mesmo vale para o caso do auxílio-reclusão, dado a famílias de presidiários que, em liberdade, contribuíram com a previdência. Bolsonaro, na entrevista, deu a entender que o indivíduo a receber o auxílio é considerado empregado, contudo, a informação não procede, uma vez que o pagamento é feito à família do indivíduo.

Publicidade

As condições do preso em relação ao emprego também podem variar, caso ele exerça alguma ocupação dentro do local em que está recluso.

O futuro do IBGE, bem como de diversos outros órgãos oficiais é incerto diante da crise generalizada em que o país se encontra. Na ânsia pelo corte de gastos, no entanto, há o risco de que os elementos mais importantes para uma gestão eficiente sejam prejudicados na medida em que governantes olham para soluções paliativas no curto prazo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo