Neste último domingo (7), o vice presidente da República, general Antônio Hamilton Mourão, esteve no evento Brazil Conference, em Boston, Estados Unidos. Durante o evento, Mourão declarou que se o Governo "errar demais", a responsabilidade poderá atingir as Forças Armadas. O evento foi organizado por estudantes da Universidade Harvard e do Massachussetts Institute of Technology (MIT).

Um dos estudantes presentes no evento questionou o general sobre a possibilidade das Forças Armadas ficarem corrompidas com o fato do governo ter em seus cargos e funções diversos militares.

Contudo, Mourão declarou que o governo não pode errar demasiadamente na sua atuação, pois consequentemente iria prejudicar a imagem das Forças Armadas.

O vice disse que há "extrema preocupação" do governo falhar nestes próximos anos, não correspondendo com o que foi prometido para a população. Mourão evidenciou uma conversa que teve com Jair Bolsonaro na noite do dia 28 de outubro de 2018, data do resultado eleitoral. Mourão disse que Bolsonaro olhou para ele e declarou: "Nós não podemos errar'.

O vice-presidente também disse que mesmo dois militares tendo assumido o governo, em referência a ele e a Bolsonaro, isso não significa que as Forças Armadas estão no poder. Além do mais, evidenciou que Bolsonaro é muito mais político do que militar, mesmo carregando toda a formação que tem dentro de si.

Outro ponto levantado em questão pelo vice é de que todos os militares que conseguiram cargos e funções no governo são da reserva. Dessa forma, é frisado que as Forças Armadas continuam com a tradicional missão na defesa da pátria.

Situação do Ministério da Educação

Em outra pergunta, Mourão foi questionado sobre a reforma educacional.

Contudo, reiterou o posicionamento já dado por Jair Bolsonaro, que evidencia que a pasta do Ministério da Educação passa por problemas. Na última sexta-feira (5) o mandatário do país falou para jornalistas que a condução do ministério não está dando certo e isso está absolutamente claro.

Contudo, Mourão contou que, nesta segunda-feira (8), Bolsonaro entrará em reunião para discutir o tema e chegar a uma solução.

O vice disse que o governo deverá "investir pesado" na área educacional. No entanto, ele não disse se o ministro Vélez será mantido no cargo, porém, avaliou que o problema deve ser solucionado de imediato.

Governo e Congresso

Entre os temas debatidos em Boston, estão as questões da relação do governo com o Congresso. Mourão disse que o governo tem a intenção de buscar "maiorias transitórias" para a aprovação de reformas. Além do mais, admitiu que a estratégia do governo mudou, que inicialmente era a de negociar com bancadas temáticas.

Siga a página Política
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!