O juiz federal Bruno Savino, da 3ª Vara Federal de Juiz de Fora (MG), concluiu que o autor da facada no presidente Bolsonaro possui doença mental.

De acordo com parecer psiquiátrico e laudos providenciados pela defesa de Adélio, ele é portador de Transtorno Delirante Persistente. Segundo o jornal O Globo, os laudos foram confirmados também por peritos selecionados pela acusação. Essa condição torna Adélio inimputável, o que significa que ele não pode ser punido criminalmente e ir para uma prisão comum, como acontece com as pessoas que não possuem essa patologia.

Em caso de condenação em ação criminal, o autor do ataque a Bolsonaro não irá para uma prisão comum, e sim, irá cumprir pena em um manicômio judiciário.

Adélio foi avaliado por diferentes profissionais

De acordo com o jornal O Globo, Savino também decidiu que Adélio irá continuar no presídio federal de Campo Grande, onde deverá aguardar por julgamento da ação penal, pois o psiquiatra convocado pela defesa alegou que o local tem condições favoráveis para a continuidade do tratamento de Adélio.

A conclusão de todos os laudos produzidos é que Adélio Bispo é portador de Transtorno Delirante Persistente.

A psiquiatra contratada pelo presidente Jair Bolsonaro também concluiu que Adélio sofre desse transtorno. Em relação ao entendimento do agressor sobre o caráter ilícito do ato --a facada em Bolsonaro-- os laudos variaram entre inimputabilidade e a semi-imputabilidade. O Ministério Público havia opinado pela semi-imputabilidade do agressor. Marcelo Medina, procurador responsável pela ação, não pretende recorrer da decisão judicial.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

Possíveis penas ao agressor

De acordo com o artigo 20 da Lei de Segurança Nacional, Adélio Bispo responde por atentado pessoal por inconformismo político. Segundo a denúncia apresentada, quando o agressor desferiu a facada em Jair Bolsonaro, ele tinha a finalidade de tirar do candidato à presidência a capacidade de participar da disputa das eleições. Se for considerado culpado, Adélio Bispo pode ser condenado de 3 a 10 anos de prisão.

Quando a agressão resulta em lesão corporal grave, a pena pode ser dobrada, o que poderia chegar a 20 anos.

Adélio cumprirá pena em manicômio judiciário e será reavaliado por profissionais de tempos em tempos. Caso seja constatada a continuidade de sua condição, ele poderá permanecer internado no manicômio indefinidamente.

Adélio Bispo atingiu o presidente Jair Bolsonaro com uma facada na região do abdômen, quando o então candidato à Presidência da República realizava campanha eleitoral na cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais, em setembro do ano passado.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo