Nesta terça-feira (27), o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, decidiu se manifestar e pode ter causado uma tensão mais assídua no Planalto. Conforme detalharam os jornais O Globo e O Estado de S. Paulo, Moro defendeu o trabalho do diretor-geral da PF, Maurício Valeixo, o qual havia sido ameaçado de demissão pelo presidente Jair Bolsonaro. Além disso, o ministro afirmou que o presidente possui um compromisso com o combate à corrupção e esse foi um dos motivos que o levou a aceitar o cargo no Governo.

Para Moro, o governo teve um avanço nos últimos meses no combate à corrupção, no entanto, ele afirma que aconteceram alguns reveses. O ex-magistrado fez as declarações em um evento organizado pela Polícia Federal e que ocorreu no próprio Ministério da Justiça e Segurança Pública. Moro não mencionou quais seriam esses reveses.

A fala do ministro acontece em um momento em que várias instituições, como Receita Federal e Polícia Federal, questionam as supostas intervenções do presidente em órgãos de controle.

Conforme comentado pelo Estadão, no dia 23 deste mês, o procurador da República, Deltan Dallagnol, concedeu uma entrevista ao jornal Gazeta do Povo e citou que o mandatário brasileiro está se afastando das pautas que visam o combate à corrupção. Bolsonaro também sofre pressão de Moro e de vários parlamentares do PSL para que vete a lei de abuso de autoridade aprovada no Congresso e que criminaliza ações de delegados, juízes e procuradores.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Sergio Moro

No evento, Moro enalteceu o trabalho do diretor-geral da PF Maurício Valeixo, indicado por ele, dizendo que ele tem feito um trabalho extraordinário à frente da corporação.

Reveses

Entretanto, o ex-juiz federal tem sofrido vários reveses desde que assumiu o Ministério. Primeiro perdeu o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) para o Ministério da Economia, depois teve o seu pacote anticrime tendo pouco respaldo do governo, sofrendo grandes dificuldades de aprovação no Congresso.

Segundo O Globo, Bolsonaro teria ficado irritado com o seu ministro quando este foi procurar Dias Toffoli para que analisasse novamente a decisão de proibir investigações iniciadas através de dados do Coaf. Toffoli havia atendido um pedido do filho do presidente, Flávio Bolsonaro, que é alvo de investigações sobre fraudes com dinheiro de servidores do gabinete dele.

Contudo, Moro ainda confia que pode avançar com seus anseios e possui uma equipe que está junto com ele, conforme mencionou um dos seus auxiliares.

O ministro citou que é preciso atuação dos Estados e fiscalização constante para que se evite que policiais sejam corrompidos. Para isso, há a necessidade de integralidade máxima dentro dos órgãos de investigações.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo