Nesta quinta-feira (7), o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) acabou com a possibilidade da execução da pena de prisão logo após a condenação na segunda instância. Por inúmeros juristas e pela opinião pública, a decisão pode ser considerada a maior derrota que o Supremo impôs à Operação Lava Jato. A decisão abre caminho para a liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O voto de desempate sobre a questão ficou por conta do presidente do STF, Dias Toffoli, que se mostrou favorável à execução da pena decretada após o trânsito em julgado, ou seja, no momento em que todos os recursos jurídicos já foram utilizados e há uma decisão final.

Com o parecer do presidente do STF, os votos ficaram em 6 votos a 5.

De acordo com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a decisão poderá beneficiar 4,8 mil pessoas, entre elas Lula, condenado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) no processo da Lava Jato envolvendo o tríplex de Guarujá (SP).

Para especialistas, a decisão representa a maior derrota desde o início da operação, tanto pelo que ela pode acarretar na soltura de um dos presos que, de certa forma, marcou a operação.

Além disso, membros que encabeçam a operação alegavam a mudança do entendimento do STF no início de 2016, que entendia como necessária a prisão em segunda instância para garantir a detenção de réus e possibilitar delações premiadas.

A decisão veio após discordâncias da opinião pública, já que alguns especialistas apontavam que o parecer favorável de alguns juristas teria interesses secundários, em especial, beneficiar Lula.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Jair Bolsonaro

Além disso, reportagens como a da Reuters, que apontava em 17 de outubro a tendência da corte em alterar seu posicionamento nas diversas derrotas que a Lava Jato teve em 2019 no STF e a série de reportagens do The Intercept Brasil que desde junho tem divulgado supostas articulações entre o então magistrado Sergio Moro e procuradores da força-tarefa da Lava Jato. Ambos negam qualquer irregularidade no processo.

Embora as reportagens tenham dividido o poder público, elas enfraqueceram o apoio da operação em alguns âmbitos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo