Na última quarta-feira (18), o impeachment de Donald Trump, atual presidente dos Estados Unidos, foi aprovado pela Câmara dos Deputados do país. O motivo para o pedido de impeachment está ligado a duas acusações diferentes, ambas aprovadas pela Casa: obstrução de Congresso e abuso de poder.

É possível afirmar que suspeita-se que Donald Trump tenha feito uso do seu cargo de presidente dos EUA para pressionar o Governo da Ucrânia. O interesse do presidente estaria ligado à produção de material contra um de seus rivais políticos e, para conseguir atingir seus objetivos, Trump teria feito ameaças relativas ao congelamento do repasse de verbas, utilizadas para ajuda militar.

Para além do destacado, também é possível afirmar que o atual presidente dos EUA é acusado de proibir pessoas que possuem ligação direta com ele de prestar depoimento durante os processos na Câmara.

Apesar de ter o processo de impeachment ter sido aprovado, Trump ainda continuará ocupando o cargo de presidente até que ele seja julgado pelo Senado. Esse julgamento, por sua vez, ocorrerá durante o mês de janeiro e tornará Donald Trump o terceiro presidente na história dos Estados Unidos a sofrer um impeachment.

Quanto à votação da Câmara dos Deputados, é possível afirmar que ela chegou a durar mais de dez horas. Na ocasião, deputados dos partidos Republicano e Democrata apresentaram os seus pontos de vista sobre a situação, fossem eles favoráveis ao impeachment ou não.

Durante a provação do processo, Donald Trump estava participando de um comício na cidade de Battle Creek, no estado de Michigan. Nessa ocasião, o presidente dos EUA chegou a afirmar que "não parece que estamos sofrendo impeachment" e que "o país está indo melhor do que nunca".

Trump ainda chegou a afirmar que não fez nada de errado e que possui o apoio do Partido Republicano.

Mais detalhes sobre a sessão da Câmara

Durante a abertura da sessão da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, a atual presidente da Casa, chegou a dizer aos demais que os deputados estavam reunidos para defender a democracia e o povo dos Estados Unidos.

O presidente, por sua vez, usou as suas redes sociais para se pronunciar mais uma vez pelo impeachment e deu uma resposta indignada à fala da presidente da Câmara, afirmando que o que estava acontecendo constituía um ataque ao país e também ao Partido Republicano, além de se tratar somente de mentiras descabidas por parte da “esquerda radical”.

Como forma de sair em defesa do atual presidente, alguns deputados do partido Republicano chegaram a se exaltar e cometer verdadeiros exageros durante as suas comparações. Entre esses é possível destacar Mike Kelly, da Pensilvânia, que chego a afirmar que a data em que o impeachment de Trump foi votado seria rememorada da mesma forma que o ataque a Pearl Harbor, ocorrido durante a Segunda Guerra Mundial.

Siga a página Lula
Seguir
Siga a página Governo
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!