O presidente da República, Jair Bolsonaro, nunca escondeu que se sente incomodado com a maneira como a Globo trata o seu Governo.

Devido aos fatos destacados, Bolsonaro nunca perde a oportunidade fazer críticas à emissora carioca e também aos profissionais que trabalham para ela. Entretanto, essas críticas acabaram se transformando o presidente em um “ombudsman” da Globo, nome que se dá ao profissional contratado para fazer uma análise do trabalho do veículo de imprensa que o contratou.

De acordo com informações veiculadas pelo site Notícias da TV, somente nos últimos dois dias, Jair Bolsonaro chegou a compartilhar dois vídeos diferentes atacando o jornalismo da Globo.

Ao postar uma dessas filmagens em suas redes sociais, o presidente chegou a questionar quais seriam os limites da emissora carioca e ainda acusou os profissionais que trabalham para ela de fazer “teatro” e também de manipular as pessoas. Ao fim de sua postagem, Bolsonaro ainda usou a frase “Globo lixo”, bastante comum entre os seus apoiadores.

É possível afirmar que o vídeo em questão tece uma comparação entre as chamadas feitas pelo "Jornal Nacional" e o "Jornal da Globo", ambos exibidos na última sexta-feira (22). Nas chamadas, William Bonner (âncora do "JN") e o repórter Vinícius Leal (Jornal da Globo) comentam uma fala de Bolsonaro, destacando que ele chegou a pedir a Sergio Moro, ex-ministro da Justiça, para ser blindado.

Posteriormente, a filmagem exibe um vídeo de uma entrevista realizada com o presidente da República durante uma coletiva de imprensa. Na ocasião citada, Bolsonaro alega estar sendo perseguido por Wilson Witzel, governador do Rio de Janeiro, e afirma que o político teria o poder de plantar provas nas operações de busca e apreensão que envolvem os seus filhos.

De acordo com Bolsonaro, ele chegou a afirmar para Moro que não queria ser blindado, mas afirmou que o ex-ministro não deveria permitir que ele fosse chantageado por Witzel. Poucos minutos depois que o vídeo foi veiculado, ambos os telejornais da Globo corrigiram a informação sobre a blindagem.

Bonner e Leal corrigem o erro no vídeo

Nesse sentido, é possível afirmar que tanto William Bonner quanto Vinícius Leal chegaram a afirmar que Bolsonaro não pediu a Moro para ser blindado, mas sim afirmou o contrário.

O vídeo compartilhado por Bolsonaro em suas redes sociais está disponível na plataforma YouTube e pode ser visto por qualquer usuário. Também no último domingo, o presidente da República voltou a usar as suas redes sociais para falar a respeito da “manipulação” presente no vídeo compartilhado por ele, se referindo ao erro de William Bonner e Vinícius Leal.

Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Governo
Seguir
Siga a página Televisão
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!