Um homem invadiu a sede da TV Globo, no Rio de Janeiro, e fez a repórter Marina Araújo refém. O rapaz pediu para ver Renata Vasconcellos, que fez aniversário nesta quarta-feira (10). O presidente Jair Bolsonaro usou as redes sociais para se manifestar sobre o caso.

Em seu perfil oficial no Twitter, Jair Bolsonaro prestou solidariedade às jornalistas Marina Araújo e Renata Vasconcellos. "Repudio completamente qualquer ato de violência contra profissionais da imprensa, o que vai na contramão de nossa defesa histórica e irrestrita da liberdade de expressão e de informação, seja a favor ou contra qualquer Governo", disse o presidente.

Ele também escreveu que o caso deve ser apurado brevemente e o autor do ato deve ser punido com o rigor da lei.

O tuíte do presidente chama atenção uma vez que ele sempre demonstrou em suas publicações e pronunciamentos ser contra a TV Globo e chegou ameaçar a própria emissora. De acordo com levantamento realizado pela Federação Nacional dos Jornalistas, o presidente Jair Bolsonaro é o maior responsável por ataques à liberdade de imprensa no país.

O monitoramento realizado pela entidade mostra que somente nos quatro primeiros meses de 2020, Bolsonaro proferiu 179 ataques à imprensa, sendo 28 ocorrências de agressões diretas a jornalistas e 149 tentativas de descredibilizar a imprensa.

Homem queria falar com Renata Vasconcellos

O homem que invadiu o prédio da TV Globo, no bairro do Jardim Botânico, no Rio de Janeiro, e fez refém a repórter Marina Araújo, pedia para falar com a jornalista Renata Vasconcellos, que apresenta o "Jornal Nacional" ao lado de William Bonner.

A jornalista completou 48 anos nesta quarta-feira (10). A apresentadora do "JN" foi orientada por policiais a ajudar na negociação. A polícia foi acionada e o rapaz se rendeu. Nos vídeos vazados na internet é possível ver a repórter Marina Araújo em pânico. Em nota, a emissora carioca disse que a jornalista passa bem e classificou o autor do ataque como alguém que tem “distúrbios mentais”.

Renata Vasconcellos pede paz na edição do 'Jornal Nacional'

A edição desta quarta-feira (10) do "Jornal Nacional" terminou de forma diferente. O jornalista William Bonner falou sobre o caso que ocorreu de tarde na emissora.

Ele declarou que a segurança da Globo isolou o local e acionou a polícia militar imediatamente, o coronel Heitor Henrique Pereira negociou com o invasor, que ameaçava a “nossa colega”. Bonner falou que o homem estava perturbado, exigia ver Renata Vasconcellos [VIDEO] porque era o aniversário dela e repetia isso o tempo todo. O coronel fez as negociações com muita firmeza, e Renata seguiu as orientações.

“Ela foi até o local, aqui na sede, onde eles estavam e quando o invasor viu a Renata, na hora, ele soltou a arma e libertou a Marina Araújo e foi preso sem que absolutamente ninguém tenha se ferido, felizmente,” disse.

O apresentador agradeceu todas as manifestações de apoio e solidariedade, de autoridades, colegas e do público. Bonner termina falando que foi um susto enorme e agradece a ação da polícia militar. O jornalista ainda falou para Renata que não foi um aniversário tranquilo, mas que ela e Marina estavam bem. "Vida que segue”, finalizou.

Renata Vasconcellos também usou a frase do colega de bancada para falar que a vida segue e que deseja a todos paz.

Jornalista teme sofrer novas ameaças

Segundo informações da colunista Fábia Oliveira, do jornal O Dia, após o incidente, a jornalista Renata Vasconcellos ficou aos prantos e com medo de estar ameaçada.

Siga a página Famosos
Seguir
Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Governo
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!