Jair Bolsonaro e sua família atravessaram mais um momento de bastante turbulência após a prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, ocorrida em uma casa em Atibaia, no interior de São Paulo, em junho passado. O imóvel onde ele estava escondido pertence a um advogado da família do presidente.

Mesmo com todos esses fatos negativos batendo à porta de Jair Bolsonaro, recentes pesquisas apontaram que seu índice de aprovação subiu e um novo levantamento, já visando as eleições de 2022, revelou que ele derrotaria todos os candidatos e seria reeleito.

A prisão de Queiroz

Fabrício Queiroz está sendo investigado por um esquema conhecido como “rachadinha” na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro na época em que Flávio ainda ocupava o cargo de deputado, antes de se eleger senador.

O ex-assessor é apontado como mentor do esquema, que teria movimentado mais de 3 milhões de reais.

Um dia após a prisão de Queiroz, Flávio declarou que isso é uma tentativa de atingir o presidente Jair Bolsonaro. O presidente, por sua vez, durante sua live semanal classificou a prisão do ex-assessor do filho como sendo “espetaculosa”.

E esse não o único fator com poder de fogo para minar a popularidade do presidente. A crise provocada pela pandemia no novo coronavírus, as conturbadas trocas de ministros, com direito a denúncias de tentativa de interferência na Polícia Federal, e prisões de apoiadores mais radicais poderia deixá-lo na corda bamba, mas recentes pesquisas de mostraram números favoráveis, que dão um nó na cabeça dos analistas políticos.

Governo Jair Bolsonaro é aprovado por 47,1%

Uma pesquisa feita pelo Instituto Paraná entre os dias 18 e 21 de julho, a pedido da revista Veja, apontou que a aprovação do presidente Jair Bolsonaro subiu de 44% para 47,1% ao mesmo tempo que o índice de reprovação caiu de 51,7% para 48,1%.

Um levantamento anterior mostrava que seu maior índice de aprovação se concentrava na região Sul (50,5%).

Essa nova pesquisa apontou uma pequena mudança de cenário e revelou que no momento é no eixo Norte-Centro-Oeste, com o índice de aprovação do Governo chegando a 53,8%.

Favorito na corrida eleitoral de 2022

O mesmo instituto Paraná realizou outra pesquisa, agora sobre as intenções de voto para as eleições de 2022, e a revelação foi que Bolsonaro sairia vencedor em todos os cenários sugeridos.

O atual presidente teria percentuais no primeiro turno que iriam de 27,5% a 30,7%

Ainda de acordo com o Paraná, Jair Bolsonaro venceria o primeiro turno contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o ex-prefeito de São Paulo e candidato derrotado pelo próprio Bolsonaro em 2018 Fernando Haddad (PT), o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT), O governador de São Paulo João Doria (PSDB), o ex-ministro Sergio Moro e o apresentador global Luciano Huck.

Em uma simulação de segundo turno, o que mais se aproxima de Bolsonaro é Sergio Moro, mesmo assim com confortável vantagem ao presidente, que derrotaria seu ex-ministro por 44,7% a 35%.

Já numa repetição do embate em segundo turno contra Fernando Haddad, o ex-capitão seria eleito com 46,6% dos votos contra 32% do petista.

Doria e Huck têm desempenho pavoroso

Um dos nomes mais fortes a sair candidato pelo PSDB, o atual governador de São Paulo, João Doria, foi uma das decepções nessas primeiras rodadas de pesquisa. Desafeito declarado de Jair Bolsonaro durante a crise sanitária, o tucano aparece apenas com 4,6% das intenções de votos, isso não sendo colocado na mesma pesquisa a qual se inclui o nome do ex-ministro Sergio Moro.

Já o apresentador da TV Globo Luciano Huck, que chegou em outro levantamento a ter 12% das intenções de voto, encolheu na mais recente pesquisa e aparece com 8,3% das intenções de voto.

Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Governo
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!