O Ministério Público Federal sugeriu que à acareação do senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), com o empresário Paulo Marinho acontecesse no dia 21 de setembro, porém, o senador comunicou que a data não está disponível em sua agenda e, por isso, não comparecerá.

O Ministério Público pretende confrontar Flávio e Marinho para esclarecer o suposto vazamento de informações confidenciais relacionadas à operação Furna da Onça, executada pela PF em novembro de 2018.

Advogado de defesa

De acordo com os advogados de defesa do senador Flávio Bolsonaro, a sugestão de data realmente não poderá ser atendida pois Flávio já tem agenda confirmada para o dia.

A defesa ainda afirmou que uma possível data para o "confronto" será avaliada pelo senador caso haja um convite formal ou uma intimação por parte do Ministério Público Federal.

Paulo Marinho

O empresário Paulo Marinho, ao contrário do senador, já informou que está disponível para qualquer dia, data, hora e local, dependendo só do MPF. O relato de Marinho vem sendo feito desde o mês de julho e o empresário diz que mantém e reafirma todas as declarações prestadas em depoimentos.

Paulo Marinho já realizou três depoimentos, e em uma de suas redes sociais ele publicou que sua versão segue a mesma, e que o senador Flávio Bolsonaro, por sua vez, acabou confirmando que participou de uma reunião na casa do empresário, porém não soube de nada.

"Francamente Senador!" publicou ele.

Dados

De acordo com Marinho, o senador recebeu informações privilegiadas sobre uma ação que seria realizada pela Polícia Federal contra Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio e preso na investigação do suposto esquema de rachadinha.

O filho de Jair Bolsoanro nega as acusações de Marinho e diz que toda esta situação não passa de um ataque realizado por uma pessoa que está desesperada e não tem votos.

Sobre a reunião, o senador confirmou ao Ministério Público que realmente compareceu à casa de Marinho, porém negou qualquer tipo de informações privilegiadas, ou mesmo referentes à operação.

Argumentos de Flávio

Flávio Bolsonaro alega que a situação foi simplesmente acontecendo e acusou a imprensa de ficar atirando contra ele, fato este que teria levado o senador a buscar formas de se defender e procurar a defesa de um bom advogado.

Ainda de acordo com Flávio, esta foi a razão que o levou à casa do empresário e o assunto abordado na reunião, e que o motivo de ter buscado a opinião de Marinho é que ele tinha uma boa percepção em relação ao empresário e seus conhecimento e influência no meio jurídico.

Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Governo
Seguir
Siga a página Corrupção
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!