Todas as quinta-feiras como já é de costume, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) realiza sua live semanal. Desta vez na companhia do ministro interino da Saúde, o general Eduardo Pazuello. Um dos assuntos abordados na transmissão foi a quantidade de mortos no Brasil devido à pandemia do novo coronavírus.

O presidente Bolsonaro lamentou todas as mortes causadas pela doença e confirmou que os números de mortes chegarão a marca de 100 mil, mas que temos que tocar a vida e, de acordo com ele, se safar do problema. "A gente lamenta todas as mortes, vamos chegar a 100 mil, mas vamos tocar a vida e se safar desse problema", disse.

Mudança de hábitos

O ministro interino da Saúde também falou sobre o tema e afirmou que a mudança de hábito deverá fazer parte da vida dos brasileiros, pois antes que chegue ao mercado uma vacina comprovadamente eficaz, o vírus continuará sendo perigoso. Ele menciona também que além da vacina, medicações com comprovação científica seria um caminho que facilitaria a vida da população. Até o momento não existe nenhum medicamento comprovadamente eficaz contra o coronavírus.

HIV

Ainda falando sobre a mudança de hábitos, Pazuello usou como exemplo a epidemia causada pelo vírus HIV (Aids) na década de 1980. O ministro afirma que a epidemia da Aids serve para um comparativo interessante ao momento atual.

Ao mencionar que eles viveram esta época, ele disse que antes da descoberta do vírus HIV, o preservativo, troca de giletes, a diminuição de convivência social em determinados casos não existia, que foram mudanças de hábitos necessárias.

Apesar da mudança de hábitos, o HIV permanece sem cura, porém existem tratamentos bem sucedidos para os contaminados que seguem a vida, e mesmo com a existência do HIV todos seguimos, e de acordo com Pazuello o coronavírus vai funcionar da mesma forma.

Hidroxicloroquina

O presidente Jair Bolsonaro utilizou do tema pandemia para defender mais uma vez o uso da cloroquina no tratamento contra o coronavírus durante a transmissão da live, mesmo que a medicação já tenha sido suspensa pela SBI, continua não recomendada pela OMS, e permaneça sem nenhuma comprovação científica de eficácia.

Bolsonaro foi contaminado pela covid-19 no mês de julho e alega ter feito tratamento com a cloroquina. Ele chegou a postar vídeos com os momentos em que fazia uso da medicação.

Ainda durante a live ele disse que as pessoas que não querem tomar a hidroxicloroquina não devem interferir na decisão de quem quer fazer uso do medicamento, justificando que ainda não existem vacinas e nem medicações com comprovação científica, logo, para o presidente, a cloroquina hoje é a melhor, se não, a única opção.

Casos no Brasil

Até o momento, os casos confirmados no Brasil são 2.862.761. Destes, 2.020.637 são considerados recuperados e 97.418 mortes foram registradas.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!