Após uma investigação, agentes do Departamento da Polícia Civil conseguiram localizar na manhã desta quarta-feira (1°), no bairro Intersul, na cidade de Alvorada, região metropolitana de Porto Alegre, o corpo de uma Mulher de 27 anos de idade que estava desaparecida desde o último dia 19. O cadáver da vítima estava enterrado em um terreno ao lado de sua residência.

De acordo com a delegada responsável pela investigação do caso, Carolina Terres, da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher de Alvorada, o marido da vítima é o principal suspeito de cometer o crime. Em uma entrevista concedida ao G1, a delegada mencionou que o homem, de 31 anos de idade, teria registrado um boletim de ocorrência sobre o desaparecimento da esposa na segunda-feira (30), dizendo que ela não teria sido mais vista desde o último domingo (29).

Cheiro forte e terra revirada no quintal

Porém, nesta quarta-feira, familiares do suspeito teriam comparecido à delegacia relatando que seu pai, que mora ao lado do imóvel do casal, estaria sentindo um cheiro muito forte vindo do quintal e teria percebido que a terra do pátio estava remexida. Ao escavarem o local, os policiais junto com o Batalhão do Corpo de Bombeiros Militar da região encontraram o corpo da vítima envolto a um lençol já em avançado estágio de decomposição.

Ainda conforme a delegada titular, a mulher que estava desaparecida teria sido reconhecida por conta de uma tatuagem que tinha no corpo.

Causa da morte ainda dependerá da perícia

Com a descoberta do crime, a área foi isolada para que membros do Instituto Geral de Perícia (IGP) pudessem realizar os primeiros trabalhos investigativos e o corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) da região, onde passará por uma necropsia para que seja esclarecida a real causa da morte.

Conforme Terres, o suspeito teria saído de casa no dia anterior do descobrimento do corpo, deixou então a filha do casal com parentes e não foi mais visto pela família. Ao sair de casa o homem não levou seu aparelho celular, este será periciado pelos agentes em buscas de provas contra ele. Pessoas próximas ao homem não sabem onde ele possa estar e sua prisão preventiva será pedida pela polícia.

Nenhuma medida protetiva foi pedida

As investigações apontam que no ano de 2018, a vítima teria registrado contra o suspeito na Delegacia da Mulher um boletim de ocorrência por lesões corporais leves, mas não há recentemente nenhum relato de agressão ou ameaças, e nem mediadas protetivas solicitadas pela mulher.

O caso agora seguirá sendo investigado pela polícia como feminicídio e ocultação de cadáver.

Siga a página Polícia
Seguir
Siga a página Mulher
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!