Umas das estreias desta sexta-feira, primeiro de maio na Netflix é o filme “Dias sem Fim’ (All Day and a Night), escrito e dirigido por Joe Robert Cole, o cineasta que ficou conhecido, por ser o roteirista do filme "Pantera Negra" da Marvel Studios. No elenco estão: Jeffrey Wright (conhecido por dar vida ao agented da CIA Felix Leiter da franquia 007); Ashton Sanders (ator do filme “Moonlight”); Regina Taylor; Yahya Abdul-Mateen II; Isaiah John; Kelly Jenrette e Shakira Ja-nai Paye.

Duplo homicídio

A produção de 2h1m inicia com uma família composta de mãe, pai e filha voltando de um passeio quando encontram na casa um jovem, o protagonista Jahkor, ou como ele é mais conhecido, Jah (Ashton Sanders).

O personagem então mata o homem e a mulher, e deixa a criança viva, a seguir o filme passa para o julgamento do rapaz, e ele é condenado à prisão perpétua.

Corte para Jakhor chegando cadeia, quando ele aparece no pátio do presídio, o personagem relata por meio de uma narração em off o que ele vê na prisão, uma população carcerária composta majoritariamente de negros e outras minorias, como latinos e homossexuais.

A partir deste momento a produção indica que irá fazer uma crítica social e também já fica evidente que o espectador terá que esperar muito para descobrir a razão do jovem ter cometido os assassinatos.

Flashbacks

O filme então mostra Jah quando criança e seu encontro com Lamark, que terá uma relação de irmão com o protagonista.

Eles vivem em uma localidade extremamente violenta e desfavorecida, o ambiente belicoso em que vivem afeta até mesmo as crianças da localidade, que demonstram o mesmo comportamento que muitas vezes encontram em casa ou que presenciam nas ruas.

É o caso de Jah, seu pai JD (Jeffrey Wright) é um homem violento e viciado em drogas.

Desta maneira, o jovem cresce com as lições deturpadas do pai, que ensina para o filho que é preciso se defender do mundo por meio da violência.

O filme mostra um contraponto a esta visão com o personagem Lamark, que desde criança nunca aceitou que seu destino seria reproduzir aquele comportamento violento que via nas ruas e até mesmo na escola.

Mas o roteiro pouco aproveita este personagem que é visto mais a frente em um arco que não acrescenta em praticamente nada à trama.

O filme de Joe Robert Cole se divide em três períodos temporais, a infância problemática de Jah que sofria com a violência do pai, o personagem pouco antes de cometer o crime e seu período na prisão. O filme se perde ao transitar entre estes três períodos temporais, o que torna o desenvolvimento da trama maçante. Outro desafio desta nova produção da Netflix é fazer com que o público se simpatize com um personagem que cometeu um crime terrível e como agravante, na frente de uma criança.

Mas o personagem, mesmo que mostre na maior parte do tempo que não deseja seguir o caminho trilhado por seu pai no mundo do crime, não mostra disposição suficiente para não entrar nesta vida, seus rompantes violentos muitas das vezes parecem ser mais de um garoto mimado que não gosta de ser contrariado do que um jovem que cresceu cercado pela violência.

Conclusão

O fraco roteiro desta produção mostra no final um motivo fraco para que Jah tenha assassinado o casal, pois o verdadeiro alvo do protagonista era Malcom, desta maneira ele teria nenhum motivo para matar a mulher. O filme tenta abordar vários temas, mas aborda todas de maneira superficial para finalmente revelar que sua verdadeira intenção era falar sobre a relação pai e filho. Um dos poucos bons momentos do filme é a bela cena em que Jah está andando de bicicleta e junta-se a ele outras crianças também de bicicleta, o que pode querer significar a infância que o personagem não pôde viver.

Siga a página Famosos
Seguir
Siga a página Televisão
Seguir
Siga a página Seriados
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!