Estreou na Netflix na quarta-feira (16) um dos filmes mais aguardados do mês de setembro, a produção de 138 minutos "O Diabo de Cada Dia" (The Devil All the Time).

O longa-metragem vinha sendo ansiosamente aguardado por boa parte do público por reunir astros que participam de filmes de super-heróis.

O protagonista do longa é Tom Holland, que é o atual Homem-Aranha no Cinema. Já Sebastian Stan é o intérprete do Soldado Invernal nos filmes do MCU (Universo Cinematográfico Marvel).

O filme, dirigido por Antonio Campos, ainda tem a participação de Robert Pattinson, que em breve será visto como Batman/Bruce Wayne em "The Batman".

Equívocos e decepção

Desde que foi anunciado, o filme vinha sendo classificado por muitos sites como sendo um filme de terror.

Talvez este equívoco tenha sido causado por causa do seu título e a presença do personagem de Pattinson, que interpreta, de maneira magistral, um pastor inescrupuloso.

Outro ponto que talvez vá decepcionar os fãs dos já citados astros é o relativamente pouco tempo de tela que eles têm.

O filme é inspirado no livro de Donald Ray Pollock. O roteiro foi escrito pelo próprio diretor e seu irmão Paulo Campos.

A trama se interessa mais em contar a história de vários personagens do que em dar protagonismo a somente uma figura.

A trama

O filme tem um narrador onisciente, interpretado pelo próprio autor do livro, que foi convidado pelo diretor para participar a trama.

A trama recheada de morte, vingança e fé se inicia com Willard (Bill Skarsgärd) no final da década de 1950.

O veterano da Segunda Guerra Mundial tem uma bagagem de dor e violência que veio com suas experiências vividas na guerra e passou para seu filho estas influências, além de uma visão deturpada da fé.

Seu filho Arvin (Tom Holland) então cresce em meio a isso e também tem que viver com as perdas de seu pai e sua mãe.

Neste universo ainda tem relevância na trama o xerife Lee (um Sebastian Stan quase irreconhecível) e o casal de serial killers Carl (Jason Clarke) e Sandy (Riley Keough).

As tramas destes e outros personagens em um primeiro momento parecem ser aleatórias.

Mas elas acabam por se cruzar.

Ainda que o filme tenha atuações convincentes, como o bom trabalho em relação ao sotaque de regiões rurais dos Estados Unidos, a saga do jovem Arvin não vem agradando à crítica especializada.

O filme tem um ritmo cadenciado que, apesar das sequências bem violentas, não banaliza estas partes mais chocantes, o que contribui para aumentar o impacto destas sequências.

Ainda que fique claro que a intenção do longa seja mostrar o quão danoso é o fanatismo religioso, a queixa de alguns sites é que a trama não foi bem sucedida em mostrar motivações mais claras para os personagens fazerem o que fazem.

Siga a página Televisão
Seguir
Siga a página Cinema
Seguir
Siga a página Opinião
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!