No dia 24 de dezembro, véspera de Natal, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) parece que não entrou no clima natalino, pelo menos não em sua tradicional live semanal.

O líder do Executivo mais uma vez demonstrou que além de não respeitar a liturgia do cargo, aproveitou para fazer críticas ao seu desafeto político o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

Na live que teve a duração aproximada de 1h20, o morador do Palácio da Alvorada teve como principal alvo de críticas o outrora aliado João Doria.

Alhos com bugalhos

Em uma fala que insere diversos elementos sem uma conexão aparente, o mandatário se referiu a Doria sem citar o nome do governador.

Na lógica bolsonarista, o marido de Michelle Bolsonaro afirmou que quer o "cidadão de bem" armado, pois dessa maneira, iria acabar a "brincadeirinha" de que todos irão ficar em casa enquanto alguém vai passear em Miami, esta atitude seria coisa de "calcinha apertada", disse Bolsonaro. "Quero o cidadão de bem armado. Com o povo de bem armado, acaba essa brincadeirinha de “vai ficar todo mundo em casa que eu vou passear em Miami. Pelo amor de Deus. Oh… calcinha apertada! Isso não é coisa de homem", disse Bolsonaro.

A declaração de Jair Bolsonaro foi uma clara referência ao fato de João Doria ter viajado para Miami na véspera de Natal.

Doria foi flagrado em uma loja em Miami sem usar máscara, uma atitude que entra em contradição com o que o governador vem defendendo desde o início da pandemia do novo coronavírus.

A situação foi amplamente divulgada na mídia e fez com que o político que deseja ser o próximo morador do Palácio da Alvorada tivesse que se pronunciar pedindo desculpas.

Doria fez um vídeo para se desculpar com os cidadãos de São Paulo. Segundo João Doria, a viagem para a Flórida foi realizada para participar de duas conferências para as quais ele havia recebido convite.

Vacinas

Também não faltou na live um dos tópicos preferidos do amigo de Fabrício Queiroz, colocar em dúvida a eficácia e segurança das vacinas que estão sendo elaboradas para combater a Covid-19.

Bolsonaro afirmou que irá insistir para que as pessoas que forem se vacinar, assinem um termo de responsabilidade.

O mandatário disse que não irá admitir que seja utilizada uma vacina que não tenha sido devidamente aprovada, que esteja em fase experimental.

Outra constante no mandato de Jair Messias Bolsonaro é a sua fala recorrente de que não tem responsabilidade sobre diversos temas, e mais uma vez o presidente declarou isso ao dizer que não poderá ser responsabilizado por possíveis problemas com a vacina.

Em um tom mais calmo, Bolsonaro e a primeira-dama Michelle Bolsonaro gravaram uma declaração que foi divulgada em rede de rádio e televisão que foi ao ar também na véspera de Natal.

No pronunciamento, Bolsonaro afirmou que se solidarizava com as famílias que perderam entes queridos para a Covid-19.

Ainda que desta vez o presidente da República tenha atuado como tal, não deixa de causar espanto a fala de Bolsonaro quando ele afirma que o Brasil se tornou referência na questão do combate à pandemia.

O Brasil atingiu a marca de 190 mil mortos.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Política
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!