A instituição hospital privada Albert Einstein entrará com ação judicial contra o ator da Rede Globo de Televisão José de Abreu. O artista que já se tornou protagonista de várias telenovelas da maior emissora do país escreveu críticas dirigidas ao Hospital Israelita Albert Einstein a respeito do atentado à faca contra o presidente da República, Jair Messias Bolsonaro.

Vale lembrar que o novo mandatário brasileiro sofreu o ataque realizado por Adélio Bispo de Oliveira no dia 6 de setembro do ano passado, durante ato de campanha eleitoral para a disputa à Presidência da República.

Jair Bolsonaro chegou a ficar mais de vinte dias internado após o grave incidente, tendo sido primeiramente tratado na Santa Casa de Misericórdia da cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais, local do atentado.

Entretanto, de acordo com o ator José de Abreu, o país teria "um Governo repressor, cuja eleição teria sido decidida numa facada elaborada pelo Mossad (serviço de inteligência de Israel), com o apoio do Hospital Albert Einstein e ainda, o que teria sido comprovado com a vinda ao Brasil, do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu (Bibi)".

Em seu tuíte, no perfil oficial do artista da TV Globo, o mesmo prosseguiu com as críticas, ao afirmar que "a união entre igreja evangélica e o governo de Israel daria m*".

Hospital se posiciona com ação judicial contra ator

O Hospital Israelita Albert Einstein, ao tomar conhecimento das acusações feitas pelo ator José de Abreu, decidiu dar entrada em uma ação judicial contra ele. Em um comunicado oficial, a instituição hospitalar afirmou que a acusação seria considerado "grave, insultuosa e também, infundada", e que além disso, medidas judiciais cabíveis seriam tomadas, de modo que se possa "zelar seu compromisso para com a sociedade brasileira".

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

Contudo, além das acusações do ator da Globo contra o Hospital Albert Einstein, o mesmo também apontou o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, e o serviço secreto de inteligência de seu país, o Mossad, como cúmplices do atentado promovido contra o presidente da República, Jair Bolsonaro. Adélio encontra-se preso, com inquérito da Polícia Federal, que concluiu que o criminoso agiu sozinho.

O ataque ocorreu restando poucos meses para a data do pleito eleitoral em primeiro turno, e que, posteriormente, confirmou a vitória, em segundo turno, de Jair Bolsonaro sobre o candidato postulante do Partido dos Trabalhadores (PT), Fernando Haddad, que ficou em segundo lugar na contagem de votos para a Presidência da República.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo