Na segunda-feira (19), moradores de várias cidades do estado de São Paulo divulgaram fotos do céu que se escureceu a partir das 15h. A escuridão que assustou a população pode ser explicada pela chegada de uma frente fria e também pela fumaça acumulada de queimadas ocorridas principalmente em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Além dos incêndios esperados pela época de seca, a atividade de fazendeiros que se utilizam da prática para limpar o pasto foi intensificada nos últimos dias.

No sul do Pará, produtores rurais do entorno da BR-163 anunciaram o "dia do fogo" em 10 de agosto, e o registro de focos de queimadas aumentou consideravelmente, segundo fotos de satélite divulgadas pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Em Rondônia, onde a umidade do ar e o nível de precipitação está reduzindo à medida que mais desmatamentos ocorrem, a população também denunciou a ocorrência de queimadas que deixaram o céu encoberto por fumaça.

No Centro-Oeste do país, a divisa entre o Paraguai e o Mato Grosso do Sul é a região que mais sofre com queimadas, segundo apuração do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

As partículas de fumaça sendo levadas pelo vento para o interior do continente sul-americano foram registradas e divulgadas no Twitter oficial da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos Estados Unidos. Em São Paulo, essa fumaça se uniu à densa frente fria vinda do leste e trazendo umidade do oceano. A fumaça também chegou ao norte do Paraná.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Natureza

Recorde de queimadas

2019 é o ano com o maior número de queimadas registradas desde 2013. Só em agosto foram registrados 32.932 focos até domingo, 18, o que representa um aumento de aproximadamente 264% em comparação ao ano anterior. Mato Grosso é o estado com mais registros, 13.641, o que significa 88% a mais em relação a 2018.

Mato Grosso também está entre os estados em que o desmatamento avançou mais, ao lado do Pará e do Amazonas.

O Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) apontou o crescimento de 15% de desflorestamento na Amazônia Legal desde agosto de 2018. Somente no mês de julho deste ano foram desmatados 1.287 km², 66% a mais do que em julho do ano anterior.

Fundo Amazônia ameaçado

A escalada do desmatamento e o discurso do presidente Jair Bolsonaro contra a proteção da floresta Amazônica, bem como das reservas indígenas, têm causado tensões com países que investem no Fundo Amazônia.

Preocupados a política ambiental do atual governo, Alemanha e Noruega congelaram o envio de verbas para o fundo.

Em resposta, Bolsonaro criticou a gestão que os países europeus fizeram das próprias florestas e chegou a divulgar um vídeo de matança de baleias, como se ocorressem na Noruega –o registro, na verdade, foi feito em uma ilha da Dinamarca.

Jornais alemães como Die Zeit e Der Spiegel publicaram editoriais em que sugerem que a Alemanha promova sanções econômicas ao Brasil, mirando, por exemplo, nas exportações de carne e soja.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo