Cenas comoveram os bombeiros que sobrevoaram as áreas que foram tomadas por lama em Brumadinho. Vários Animais foram encontrados ilhados e parcialmente submersos nos rejeitos da barragem da Mina do Feijão. Apesar do compromisso dos bombeiros em resgatar animais e humanos com vida, em alguns casos o resgate se torna inviável. Nestas situações extremas, os militares têm usado helicópteros para abater os animais com tiros de fuzil.

Segundo os oficiais, a ação é tomada apenas em casos onde não há como fazer o resgate dos animais presos na lama, ilhados ou feridos. Cabe lembrar que o resgate dos animais é muito mais complexo que o de humanos.

Na última segunda-feira (28), um helicóptero da PRF (Polícia Rodoviária Federal) fez um sobrevoo nas áreas tomadas pela lama e os animais que eram vistos nas condições acima eram abatidos com tiros.

Segundo reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, que acompanhou uma das ações, foram dados cerca de 20 tiros de fuzil e depois o helicóptero voltou à base. Outros oficiais acompanharam a missão em terra.

Animais são abatidos por tiros de fuzis em Brumadinho

O sacrifício dos animais foi acompanhado por terra pelo comitê de crise em Brumadinho. Os animais abatidos estavam em uma área próxima a o local onde um segundo ônibus foi encontrado submerso em lama. O veículo possuía em seu interior vítimas da tragédia.

Segundo o Corpo de Bombeiros, ainda existem muitos animais ilhados, submersos e mortos ao longo do rastro de lama.

Sacrifício dos animais

A difícil decisão de executar os animais foi realmente confirmada ao jornal Estadão pelo chefe da Defesa Civil de Minas, coronel Evandro Geraldo Borges. A autoridade revelou que não tem o que fazer em alguns casos. "O que vamos fazer? Deixar o animal sofrendo?", questionou. O oficial ainda revelou que o sacrifício só acontece em último caso.

De todo modo, ele também disse que existem equipes que estão empenhadas em resgatar animais que se encontram em condições de serem retirados. Animais com pernas quebradas e presos acabam recebendo o tiro de misericórdia.

A PRF também garantiu que todo o procedimento foi supervisionado por uma veterinária do Conselho de Veterinária do estado.

Os últimos números da tragédia já mostram que foram encontrados 84 corpos e 67 foram identificados.

Ainda existem 276 desaparecidos e 192 pessoas foram resgatadas. Outras 391 já foram localizadas. As buscas entraram no sexto dia nesta quarta com 320 bombeiros atuando na área atingida.

As últimas buscas têm se concentrado na região do refeitório e todo o trabalho está sendo auxiliado pelos militares israelenses.

Siga a página Polícia
Seguir
Siga a página Animais
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!