Uma das histórias mais comoventes que surgiu desde que ao rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho, é a da secretária municipal de Desenvolvimento Social da cidade mineira, Sirlei Brito Ribeiro, de 47 anos. Segundo sua família, a mulher, que era ativista em prol do meio ambiente, faleceu ao tentar salvar um cão que corria risco na lama da tragédia.

A advogada morava há cerca de 500 metros da barragem e viu, durante a tragédia que aconteceu na última sexta, a chance de salvar. Entretanto, ela decidiu se arriscar para resgatar um cãozinho que estava imerso nos rejeitos misturados à lama.

Neste momento, ela acabou ficando presa na lama de rejeitos e acabou morrendo. O velório de Sirlei reuniu centenas de pessoas na Câmara Municipal de Brumadinho, durante a manhã desta quarta-feira (30).

Sirlei era defensora do meio ambiente

Enquanto policiais da PRF (Polícia Rodoviária Federal), em um sobrevoo recente sobre a área chegaram a disparar cerca de 20 tiros para abater animais que não poderiam ser resgatados, Sirlei tentou fazer diferente. Ela arriscou a própria vida para tentar salvar o cãozinho, mas acabou sendo só mais uma vítima da tragédia.

Ela era muito conhecida na Mina do Feijão, já que costumava fazer abaixo-assinados contra os danos à Natureza causados pela mina e sempre conversava com funcionários do local. Eduardo Toscano, um parente, confirmou também que ela era muito apegada aos animais e atuava na defesa dos bichos.

Ativista estava em casa na hora da tragédia

O cunhado de Sirlei, Eduardo, revelou que no momento da tragédia a mulher estava em casa junto com o jardineiro e sua empregada. Foi o jardineiro que revelou o que viu. Eles chegaram a avistar a lama chegando e correram. Entretanto, a mulher decidiu voltar para salvar a cadelinha. A versão também foi confirmada pela amiga da empregada que também ouviu da colega a mesma história.

Saldo da tragédia atualizado nesta quarta-feira (30)

As autoridades que compõem o comitê de crise de Brumadinho revelaram que até agora são totalizados 99 mortos, 57 deles já foram identificados. Ainda existem 259 desaparecidos e 192 resgatados. Sobre o número de resgatados, cabe ressaltar que desde sábado nenhuma pessoa foi encontrada com vida. Também existem 393 localizados; 176 desalojados.

Os números foram atualizados no final da tarde desta quarta-feira (30).

Existem 320 bombeiros e 400 PMs atuando na região, além de militares de Israel que auxiliam nas buscas de corpos na região. Nesta quarta, as buscas se concentraram na área onde ficava o refeitório e onde foram encontrados a maioria dos corpos.

Siga a página Relacionamento
Seguir
Siga a página Natureza
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!