O tsunami de lama e rejeitos de mineração que tomou conta de Brumadinho destruiu tudo que estava pela frente. Desde que o Brasil presenciou uma das maiores tragédias humanas, materiais e ambientais em Mariana, que também fica em Minas Gerais, esperava-se que as mineradores fizessem um grande trabalho de prevenção nas barragens, mas a nova destruição comprova que isto não se tornou uma realidade.

A barragem de Brumadinho (MG) , na Região Metropolitana de Belo Horizonte, pertence à Vale e se rompeu no início da tarde desta sexta-feira (25). Chegou-se a falar em cerca de 200 desaparecidos e 7 mortes confirmadas de maneira oficial pelo governo de Minas Gerais.

As perdas materiais, apesar de vultosas, não são importantes neste momento, já que existem vidas humanas em jogo. Tanto o presidente da República quanto o governador do estado garantiram que a prioridade será o resgate das possíveis vítimas soterradas ou isoladas.

O Corpo de Bombeiros, inclusive, fez resgates arriscados usando o helicóptero durante a tarde e noite desta sexta. A avalanche de lama e rejeitos de minério de ferro destruiu praticamente toda a vila que fica às margens do local, chamado Vila Ferteco. A barragem que se rompeu já estava desativada há cerca de quatro anos.

O portal UOL consultou o site da Vale e verificou que a barragem de Brumadinho era responsável por 12,7 milhões de metros cúbicos de rejeito.

Já a de Mariana, pertencente à Samarco, tinha capacidade para 50 milhões. O rompimento acontece menos de quatro anos após a destruição ambiental, humana e natural ocorrida também em Minas.

Bombeiros resgatam pessoas ilhadas e na lama

Foram retiradas nove pessoas com vida da lama e cerca de 100 pessoas ilhadas foram resgatadas.

Quase 100 bombeiros estão no local, e devem chegar a 200 a partir da madrugada deste sábado (26). Até então dos quase 430 empregados no local, apenas 279 já foram localizados. Até o final da noite de sexta (25) foram confirmadas sete mortes.

Órgãos ambientais

Em nota, o Ibama –instituto federal responsável pela fiscalização ambiental em âmbito nacional– afirmou que, em situações de emergência, a competência de acompanhamento é do órgão licenciador, ou seja, Estado de Minas Gerais.

O governador inclusive, está no local. O governador Romeu Zema mobilizou o Estado em função do resgate de vítimas com vida.

Jair Bolsonaro também estará no local para avaliar os estragos e prestar o apoio do governo federal. Michelle Bolsonaro, primeira-dama, também confirmou que estará em viagem a Brumadinho.

Vídeos e imagens revelam o estrago

Nas redes sociais já começam a circular vídeos dos regates e estragos no local. Confira alguns deles.

Siga a página Natureza
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!