A Polícia Civil do Estado de São Paulo está dando total prioridade às investigações sobre o atentado praticado na manhã desta quarta-feira (13) na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano, na Grande SP, quando dois jovens invadiram o local e abriram fogo contra alunos e funcionários. Sete pessoas morreram dentro da escola, sendo cinco alunos e duas funcionárias. Minutos antes, um dos atiradores foi à loja de veículos do tio e disparou três tiros contra ele, que acabou morrendo no hospital.

Ao todo, 25 investigadores estão trabalhando diretamente no caso em regime de revezamento durante 24 horas, a fim de apurar os reais motivos que levaram os dois atiradores a praticarem o atentado. O caso é investigado pela delegacia seccional do município de Suzano, que recebeu apoio de policiais da capital paulista e do município vizinho de Mogi das Cruzes.

As investigação da Polícia Civil

Em entrevista concedida ao UOL na manhã desta quinta-feira (14), policiais afirmaram que os dois assassinos planejaram o atentado por meio do Facebook.

Por trocas de mensagens na rede social eles teriam orquestrado a logística e a ação.

Segundo informações dos investigadores, em uma das mensagens os criminosos escreveram que iriam alugar um carro e que se vingariam das pessoas que causaram mal a eles.

A polícia trabalha com a hipótese de que a motivação para o crime foi o ódio e que a ação vinha sendo orquestrada há meses. No entanto, os investigadores disseram a reportagem da UOL que não poderiam dar maiores detalhes sobre a investigação, pois ela corre em segredo de Justiça.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Polícia Educação

O que a polícia descobriu até o momento é que os dois assassinos eram vizinhos e se encontravam regularmente em uma lan house para jogar jogos considerados violentos. Os agentes foram até a lan house e apreenderam computadores, tablets e anotações.

O fórum do ódio

A UOL constatou a existência de um fórum do ódio na internet, usado para disseminação de agressividade contra grupos determinados. Os frequentadores do fórum anônimo comemoraram e elogiaram a ação dos dois atiradores na escola de Suzano, e alguns trataram os dois como heróis.

A Polícia Civil tem informações de que Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25, frequentaram o fórum e questionaram dias antes do crime qual seria a melhor forma de cometer o atentado.

A reportagem descobriu que entre ontem e hoje há 14 fóruns sobre o tema. Nestes fóruns são encontrados diversos elogios a diversos crimes de feminicídio, homicídios de negros e violência policial. No entanto, para a polícia, a motivação do atentado desta quarta não partiu dali, pois os atiradores não escolheram suas vítimas, e os disparos foram constatados como aleatórios.

O perfil agressivo de Guilherme

Segundo o UOL, uma professora da escola procurou a delegacia e manifestou o desejo em colaborar com as investigações policiais. Ela teria dito que Guilherme, um dos assassinos, ao ser expulso da escola teria dito que se vingaria de todos. A professora, que pediu à reportagem para não ser identificada, afirmou que o jovem foi expulso por seu comportamento violento.

Outra linha de investigação da Polícia Civil aponta para a morte de Jorge Morais, de 51 anos, tio de Guilherme.

Para a polícia há indícios que Jorge teria sido uma queima de arquivo. Segundo os investigadores, o tio de um dos atiradores teria descoberto o plano homicida da dupla, assim para não ter a ação frustrada, os delinquentes decidiram primeiro matar o empresário.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo