Durante uma operação na favela da Vila Aliança, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, um cachorro foi baleado. O tiro acertou a pata traseira do animal, que precisou ser amputada. Os moradores locais acusam um PM do Bope de ser o responsável pela ação e de ter aberto fogo propositalmente.

Testemunhas se protegiam dos disparos em um ponto de vans, local em que dois cachorros cuidados pela comunidade costumam ficar.

Ao ver a Polícia abordando com agressividade alguns rapazes, um dos cães, conhecido como Orelha, latiu para o policial que, por pura irritação, teria disparado contra ele, mas o tiro acabou atingindo o outro cachorro, Guilherme.

Isso ocorreu às 8h da manhã de quarta feira (27) e o caso ganhou notoriedade através de um vídeo publicado em uma página do Facebook, no qual se vê Guilherme esperando atendimento. O responsável por levar o cão à clinica veterinária prestou atendimento e relata que, naquele momento, o cachorro estava vivo.

Guilherme foi adotado por trabalhadores locais ainda filhote

De acordo um morador de Vila Aliança, o animal foi adotado ainda filhote por trabalhadores do ponto de kombis no qual a troca de tiros aconteceu. O homem disse que estava presente no local e presenciou o tiroteio entre a polícia e os traficantes da Vila Aliança.

Após atirar no animal, o PM teria falado que se tratava apenas de um cachorro abandonado.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

O outro membro do Bope presente na situação, ao ver o sangue no chão, perguntou aos presentes quem estava ferido. Ao ouvir que o seu companheiro havia baleado um cão, o segundo PM pareceu lamentar a situação.

Os presentes, então, se juntaram para pensar no que fazer por Guilherme. Levantaram o dinheiro necessário para o transporte e para a cirurgia, que já sabiam que seria necessária, mesmo sem o atendimento prévio do cachorro, e o encaminharam para a Fazenda Modelo.

A equipe do local atendeu prontamente ao cão, que se encontrava em estado grave devido ao tempo transcorrido entre o tiroteio e o transporte.

A cirurgia correu bem e Guilherme precisou de uma transfusão de sangue, o que a clínica não tinha como fornecer, uma vez que essa foi a primeira e única transfusão de sangue realizada da história da Fazenda Modelo, conforme foi dito ao socorrista por membros da equipe.

Por fim, graças à mobilização dos funcionários, Guilherme conseguiu a transfusão necessária para a sua sobrevivência. Ao ganhar as redes sociais, a história do cachorro teve grandes impactos, uma vez que muitos internautas se mostraram tocados com a situação vivenciada por Guilherme.

Nota da PM

A Polícia Militar emitiu uma nota no qual informou que os militares que participaram da ação não avistaram ou tiveram conhecimento que algum animal havia sido baleado durante o confronto.

Foi salientado que se os militares tivessem conhecimento do caso, teriam prestado socorro e o animal poderia ter sido atendido pelo serviço veterinário da própria corporação.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo