Segundo a revista Veja, um caderno foi encontrado junto ao corpo do atirador Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, que adentrou nesta quarta-feira (13) a Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano, na Grande SP, e junto com seu comparsa Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, matou sete pessoas e deixou outras feridas. Ao final da ação, os dois se refugiaram no fim de um corredor e, para evitar confronto com a Polícia, Guilherme teria matado o companheiro e depois se suicidado.

Publicidade
Publicidade

Um sargento que esteve no programa de Luciana Gimenez nesta quarta (13) revelou que foi a primeira autoridade a entrar e que os próprios alunos do colégio indicaram a localização dos assassinos. O sargento e sua equipe foram adentrando e quando cercaram os dois, eles cometeram seus últimos atos. Ao final do corredor ainda haviam duas salas onde estima-se que tinham cerca de 25 alunos em cada uma delas.

Publicidade

O que se vê na sequência dos fatos é um sinal de terra arrasada, segundo ele, com corpos espalhados pelo espaço e muito sangue. Jorge Lordello, especialista em segurança da RedeTV! ainda disse que recebeu o vídeo dos corpos e que os dois morreram lado a lado, em suas palavras, juntos.

Caderno pode revelar motivação do crime

Junto ao assassino menor, a polícia encontrou um caderno com diversas anotações que podem nortear as investigações sobre seu perfil psicológico e sobre sua motivação.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

O que se sabe até agora é que sua mãe disse à Band que o filho sofria bullying. Guilherme que segundo indícios seria o "cabeça" da operação, morava com os avós, mas a cerca de um mês perdeu sua avó. Outra informação repassada pela Band é que a mãe dele mora nas ruas e é usuária de crack. O jovem ainda teria largado a escola por conta da perseguição por conta de espinhas em seu rosto.

Em relação ao caderno encontrado, algumas situações chamaram a atenção da imprensa.

Segundo a revista Veja, em uma das páginas o rapaz descreve a tática de um jogo chamada 'rush' que é traduzida pelo próprio autor do crime como 'ataque rápido'. Em outras páginas, agora segundo o UOL, ele cita a bíblia satânica, faz desenhos de armas de foto e de homens mascarados.

Outras frases, como "Don't look... Or It Takes you" (não olhe, ou ele vai te pegar, em tradução livre), além de dicas e regras de games eram constantes no documento.

Publicidade

De todo modo, a motivação do crime será alvo principal das investigações da polícia, que já apreendeu os celulares dos assassinos. Eles não tinham computadores, mas usavam os de uma lan house, que também serão periciados.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo