A mãe de Guilherme Taucci de Monteiro, um dos atiradores de Suzano, que tinha 17 anos, teria sofrido bullying na escola e, por isso, teria deixado de estudar. O rapaz é um dos dois atiradores que fizeram vítimas na Escola Estadual Professor Raul Brasil, no Grande SP. Aliás, foi Guilherme quem iniciou a chacina, uma vez que foi ele quem procurou o tio em seu local de trabalho e, contra o empresário, desferiu três tiros.

O homem ainda chegou a ser socorrido, passou por cirurgia, mas não resistiu e acabou morrendo.

Sobre o bullying, a mãe de Guilherme não deu muitos detalhes, mas confirmou que o filho realmente sofria discriminação na escola por conta das espinhas. Segundo reportagem do "Brasil Urgente", na Band, a mãe era usuária de crack e o jovem morava com a avó. Entretanto, o que se sabe, é que a senhora morreu recentemente, há cerca de um mês. A Band ainda tentou fazer com que a mulher desse entrevistas, mas ela se mostrou visivelmente incomodada em falar sobre o assunto.

Mãe de Guilherme diz que filho era vítima de bullying

Questionada sobre o que gostaria de falar para as famílias das vítimas do massacre, ela respondeu: "sinto muito". Já à rádio BandNews FM, a mulher revelou: "É bullying que chama, não é? Ele saiu da escola por causa disso". A Polícia também confirmou que os dois atiradores eram ex-alunos da escola.

Ainda segundo apuração da imprensa, baseada em informações das autoridades de educação em São Paulo, o rapaz de 17 anos não tinha problemas de comportamento em sala de aula.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Por outro lado, um ex-colega do rapaz revelou que Guilherme já havia falado que repetiria do massacre de Columbine, ocorrido nos Estados Unidos em 1999. Também era costumeiramente flagrado falando em armas.

Dez mortos

A tragédia, que aconteceu nesta quarta (13), já soma 10 vítimas fatais, além de outras feridas, sendo duas em estado mais grave. Entre as vítimas fatais estão duas funcionárias da escola, além de cinco alunos.

O tio de Jorge Antonio de Moraes também acabou morrendo, após ter levado três tiros.

De acordo com ouvintes da rádio BandNews FM, cerca de 30 tiros foram ouvidos de dentro da escola. Entre as armas utilizadas pelos homens que acabaram se matando, estavam um revólver calibre 38, uma besta (uma espécie de arco e flecha na horizontal), além de machadinhas. Um jovem, inclusive, chegou andando no hospital, após levar uma machadada no peito e o objeto cortante ficar preso em seu corpo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo