A Polícia Civil de Bariri, no interior de São Paulo, conseguiu encontrar o corpo da jovem Mariana Forti Bazza, de 19 anos, que estava desaparecida desde a manhã do último dia 24. Segundo a polícia, Rodrigo Pereira Alves, preso em Jaú por suspeita de envolvimento no crime, confessou o crime e falou para os investigadores onde estava o corpo.

Comandados pelo delegado Durval Izar Neto, policiais foram até o local descrito pelo suspeito e encontraram o corpo de Mariana próximo da rodovia José Cesário de Castilho, a cerca de 60 km de Bariri, no município de Ibitinga. A família da jovem, ao saber da confissão de Rodrigo, ficou desesperada, e o pai, Airton Bazza, aos prantos, disse que naquele momento a vida dele tinha acabado.

Airton e o namorado de Mariana, Jeferson Viana, foram juntos com a polícia até o local. Entretanto, foram orientados a não chegarem perto do corpo. A vítima estava de bruços, com as mãos amarradas para trás, com os olhos vendados e amordaçado. Ao saber da confissão do suspeito, a esperança da família acabou se transformando em desespero.

De acordo com informações publicadas no portal UOL, a mãe da vítima, Marlene Aparecida Forti Bazza, precisou ser sedada e hospitalizada ao saber da notícia. Minha mulher está desesperada, minha vida acabou, ele matou minha filha, meu anjo. Ele acabou com a nossa vida", disse o pai da vítima.

Suspeito falou em abuso

O delegado Marcílio Frederice de Mello, que ajuda a auxiliar Durval Izar, comentou que foi encontrado uma faca embaixo do banco do carro, no entanto, não foram constatadas marcas de sangue.

A perícia é que vai afirmar com detalhes como a jovem foi morta. Acredita-se que a faca foi mais para intimidá-la.

O delegado também não pôde dizer com certeza se houve agressão, já que o corpo estava em um estado difícil de ser apurado. Por essa razão, ele aguarda o resultado dos laudos.

Investigadores também disseram, segundo a matéria, que Rodrigo teria revelado que matou a jovem na chácara, onde estava trabalhando.

Ele afirmou que houve abuso sexual, mas depois, mudou seu depoimento e disse que não cometeu o abuso e que uma terceira pessoa teria causado a morte dela.

Contudo, o delegado Marcílio Frederice disse que a polícia já tem várias provas e que tem quase certeza de que ele agiu sozinho. Câmeras de segurança, por exemplo, registraram movimentos de Rodrigo nos locais onde o carro da jovem foi encontrado, a aproximadamente 20 minutos de onde o corpo estava.

O delegado ainda disse que após os laudos e a perícia, muitas questões serão respondidas e o crime poderá ser totalmente desvendado fundamentando ainda mais a acusação.

Velório

O velório estava marcado para ocorrer no final da noite de quarta-feira (25) e, em decorrência do estado de decomposição do corpo, já de manhã, no dia 26, será feito o enterro.

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!