Na manhã desta terça-feira (3), o presidente Jair Bolsonaro e a primeira-dama, Michelle, decidiram aparecer na festinha para comemorar o aniversário de 2 anos do pequeno Arthur, menino que foi rejeitado por ser autista.

De acordo com o portal R7, a festa de aniversário foi organizada pelos funcionários do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Segundo a ministra Damares Alves, que comanda a pasta, os funcionários se sensibilizaram com a história de Arthur e decidiram fazer a celebração.

Segundo o R7, Damares convidou para o evento o ministro da Cidadania, Osmar Terra, e Michelle Bolsonaro. O evento estava fora da agenda oficial do presidente, que decidiu chegar de surpresa no auditório do ministério.

No Facebook, Damares compartilhou fotos da festa de Arthur e escreveu que a celebração foi feita com carinho e sem "um real de dinheiro público".

Michelle Bolsonaro parabeniza iniciativa

Em sua conta oficial no Instagram, a primeira-dama postou uma foto ao lado de Arthur e parabenizou a iniciativa dos funcionários do ministério.

"Parabenizo a iniciativa dos servidores do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos de realizarem uma festa para o menino Arthur e sua família", escreveu Michelle.

A primeira-dama falou a respeito da visibilidade que toda a situação trouxe para Arthur e sua família e ressaltou a luta diária dos pais do garoto por mais respeito e aceitação. Ao final da publicação, Michelle afirmou que teria sido um prazer conhecer Arthur e toda a família dele.

Mãe de Arthur recebeu mensagem ofensiva

O pequeno Arthur ficou conhecido em todo o Brasil após a repercussão da notícia de rejeição para que ele participasse de uma festa de aniversário. No início do mês passado, a mãe de Arthur, Sara Onori, de 22 anos, havia recebido uma mensagem de uma outra mãe afirmando que Arthur não seria convidado para a festa do aniversário de seu filho. O motivo da rejeição seria pelo fato do menino ser autista.

A mensagem foi recebida em um grupo do aplicativo WhatsApp, após Sara indagar a respeito da festa que as mães estavam comentando. A mensagem recebida dizia que Arthur não poderia participar da festa porque era “meio problemático" e "as outras crianças iriam ficar incomodadas". Ao final da mensagem, ela disse que esperava que a mãe de Arthur entendesse.

Ao comentar a situação, Sara disse que ficou chateada, em especial pelo fato da mensagem ter sido feita por uma amiga sua que sabia das condições especiais de Arthur. "Ela era minha amiga e tenho certeza que sabia da condição do Arthur, fiquei tão triste com a mensagem que estou até agora sem ação", disse Sara.

Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!