A Polícia Civil de São Paulo está investigando um suposto crime de tortura contra um jovem de 17 anos. Em um vídeo que circula na internet, o jovem aparece recebendo chicotadas de dois seguranças. De acordo com o portal G1, o adolescente afirmou que as agressões teriam ocorrido há pelo menos um mês, no mercado da rede Ricoy, na zona sul de São Paulo. Nas imagens de vídeo, o jovem aparece amordaçado e sem roupas.

Segundo informações preliminares, o vídeo teria sido registrado pelos próprios agressores. O gerente do supermercado afirmou que os dois seguranças foram afastados de suas atividades. O estabelecimento também se pronunciou através de nota publicada por sua assessoria, que afirmou repudiar as atitudes praticadas por seus funcionários. A empresa garantiu, ainda, que só havia tomado conhecimento dos fatos após assistir a reportagem.

Inquérito instaurado

Segundo o G1, o delegado Pedro Luiz de Sousa abriu um inquérito sobre o caso no 80º Distrito Policial. As informações são da Secretaria da Segurança Pública. O conselheiro do Conselho Estadual de Direitos Humanos (Condepe), Ariel de Castro Alves, afirmou que dará toda atenção às investigações e cuidará para que os responsáveis paguem pelos atos definidos por ele como "bárbaros e cruéis".

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Curiosidades

De acordo com Alves, os vídeos demonstram provas suficientes de que o crime de tortura foi praticado pelos seguranças.

De acordo com o jornal O Dia, a vítima contou à polícia que as agressões teriam durado pouco menos de uma hora, e que além das agressões também teria sido ameaçado de morte. O adolescente também afirmou que apenas teria pegado o chocolate, quando os seguranças o levaram para um quarto para chicoteá-lo.

Esta não seria a primeira vez que o menor foi agredido pelos seguranças. Segundo ele, o fato teria ocorrido por outras duas vezes. O adolescente revelou que não teria prestado queixa por não saber se alguém teria testemunhado as agressões. O vídeo foi amplamente divulgado nas redes sociais e dividiu opiniões.

Nota do supermercado

Ainda segundo informações do jornal O Dia, os seguranças foram identificados como Neto e Santos, e de acordo com o gerente do supermercado, já se encontram afastados.

Através de nota emitida pela assessoria de imprensa, a empresa afirmou ter tomado conhecimento do fato com indignação, pois não compactuaria com qualquer tipo de ilegalidade. O supermercado ainda garantiu que colaboraria com as autoridades competentes envolvidas para que o caso fosse apurado, e desta forma, ter as medidas cabíveis instauradas. Na última segunda-feira (2), o caso foi registrado no 80º Distrito Policial como tortura, previsto na Lei 9.455 de 1997.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo