Nesta segunda-feira (2), o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, informou o cancelamento da viagem que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) faria a cidade de Letícia, na Colômbia.

O motivo do cancelamento, segundo o porta-voz do Governo, consiste em recomendações médicas. O presidente entrará em dieta líquida a partir da próxima sexta-feira (6) para a preparação da cirurgia que está prevista para ocorrer no próximo domingo (8).

"Por questões de orientação médica, o presidente precisará a partir da sexta-feira entrar em dieta líquida", informou Rêgo Barros.

Segundo o porta-voz, após a necessidade de cancelar a viagem, duas alternativas poderão ser adotadas. Uma delas é o cancelamento da reunião. A outra possibilidade seria o presidente indicar um representante para comparecer ao encontro.

Discussão a respeito da Amazônia

A viagem à Colômbia tinha como objetivo discutir acerca da situação da Amazônia com os países vizinhos.

Durante o mês de agosto, as queimadas aumentaram na região, e a crise ambiental tem sido debatida ao nível nacional e internacional.

Diversas lideranças manifestaram preocupação em relação aos incêndios que assolam a Amazônia. Dentre elas, a presidente da França, Emmanuel Macron, que colocou o assunto na pauta da última reunião do G7 --grupo composto pelos 7 países mais industrializados do mundo.

Após a reunião, o grupo decidiu oferecer uma ajuda ao Brasil no valor de 20 milhões de euros.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

Não obstante, Bolsonaro estabeleceu como condição para avaliar a proposta um pedido de desculpas do presidente da França. Segundo Bolsonaro, Macron deveria retirar os “insultos” disparados contra ele e contra o Brasil, por comentar a respeito de uma "internacionalização" da Amazônia.

A reunião convocada por Bolsonaro na última quinta-feira (29) teria como foco discutir justamente a respeito dessa "internacionalização".

Ao anunciar a reunião, Bolsonaro voltou a fazer críticas a Macron. "O que ele (Macron) fez no tocante ao Brasil, primeiro ao ofender presidente da República eleito democraticamente e depois relativizar nossa soberania, isso despertou sentimento patriótico do povo brasileiro e de outros países da América do Sul. No dia 6 de setembro estaremos reunidos com esses presidentes, exceto da Venezuela, para discutir uma política única nossa de preservação do meio ambiente e exploração de forma sustentável", disse Bolsonaro.

Ao final da reunião, estava prevista a emissão de um comunicado conjunto, demonstrando o apoio dos países vizinhos na defesa da soberania nacional.

Além do Brasil, Colômbia, Equador e Peru, os representantes de Bolívia, Suriname e Guiana também eram esperados na reunião. A Venezuela não foi convidada a participar, mesmo sendo um país vizinho.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo