O vazamento de petróleo que ocorreu no dia 30 de agosto atingindo o litoral do Nordeste e do Espírito Santo chegou, nesta sexta feira (22), a região norte do Rio de Janeiro. O Rio é o décimo primeiro estado do Brasil a ser atingido pelo poluente.

Até o momento, foram detectado e coletado cerca de 300 gramas do poluente na Praia de Grussaí, em São João da Barra, no litoral fluminense. Diante da grave situação foi organizado um grupo para acompanhar e avaliar a situação. Esse grupo é composto pela Agencia Nacional de Petróleo (ANP), Marinha do Brasil (MB) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA).

Um trecho da nota divulgada pelo Instituto de Estudo do Mar Almirante Paulo Moreira (IEAPM) afirma que o material é compatível com o óleo que atingiu o litoral da Região Nordeste e do Espírito Santo. O IBAMA e a Marinha do Brasil informaram que estão monitorando e limpando a área.

Há, aproximadamente, 3 meses que o poluente circula na costa do mar brasileiro. No dia 30 de agosto fragmentos de manchas de petróleo foram encontrados no município de Conde, na Paraíba. Alguns dias depois, o material também foi encontrado em Itamaracá, em Pernambuco.

Em outubro, o óleo chegou a Bahia. Agora, em novembro, já se encontra no Sudeste.

Totaliza-se que foram retirados mais de 4,5 mil toneladas de petróleo que tem atingido mais de 724 localidades pelo Brasil, sendo o Rio de Janeiro o décimo primeiro estado a ser afetado. O poluente está atingindo mais de dois mil quilômetros da costa brasileira.

O derramamento de óleo nas regiões causaram terríveis danos aos ecossistemas nas regiões afetadas.O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio) afirmou que várias unidades de conservação federais sofreram com esse vazamento do petróleo que causou tal desastre prejudicando não só a vida marinha, mas também a atividade pesqueira e consequentemente a economia.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Jair Bolsonaro Governo

As informações oficiais foram divulgadas pelos órgãos responsáveis e não garantem que o caso esteja sobre controle, pois não se sabe quanto de petróleo ainda tem no mar.

Bolsonaro diz não ter dimensão da quantidade de óleo

Neste último sábado (23) foi realizado um evento na Vila Militar do Rio de Janeiro no qual contava com a presença do Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro. Na ocasião, Bolsonaro discursou e afirmou não saber quanto de óleo tem no mar e nem quem possa ter cometido "esse ato criminoso” e informou que pede a Deus para que a situação não piore.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo