A Caixa e o Ministério da Cidadania anunciaram, na segunda-feira (20), a antecipação da segunda parcela do auxílio emergencial. O anúncio causou alvoroço entre os trabalhadores que estão sem trabalhar e precisam do recurso para manter a família, mas a notícia da revogação da medida caiu feito uma bomba. Nesta quinta-feira (23), o presidente da República disse que o ministro Onyx Lorenzoni e o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, tomaram a iniciativa sem o seu consentimento. “Primeiro se paga a parcela a todos”, enfatizou o presidente ao responder a uma pessoa que o questionou sobre o pagamento, nas redes sociais.

Bolsonaro disse que o governo depende de um crédito suplementar, pois o número de pessoas que requisitaram o benefício ultrapassou em quase 10 milhões. O chefe do Executivo garantiu que tudo será pago, conforme cronograma estabelecido pela Caixa.

Por fatores legais e financeiros, o Ministério da Cidadania lamentou não antecipar a segunda parcela do auxílio emergencial. A Controladoria Geral da União recomendou cautela na antecipação do pagamento. O Ministério ressaltou que o governo Bolsonaro tem como prerrogativa “a responsabilidade fiscal”.

Cerca de R$ 23 bilhões pagos

Até a manhã desta quinta-feira (23), a Caixa pagou R$ 23,5 bilhões de auxílio emergencial a 33,2 milhões de brasileiros. O auxílio emergencial pode atingir a R$ 1.800 para algumas categorias, mas a média paga é de R$ 600.

A segunda parcela do benefício seria paga nesta quinta-feira, conforme anunciado pela Caixa e pelo Ministério da Cidadania, porém, por fatores legais, como explicou o presidente Bolsonaro, isso não foi possível. Hoje, quem recebe o Bolsa Família com o NIS quatro terá o benefício. A Caixa estima que 1,9 milhão de pessoas tiveram o dinheiro creditado.

De acordo com o balanço da Caixa, receberam a primeira parcela do benefício 10,5 milhões de inscritos no Cadastro Único, o CadÚnico e que não pertencem ao Bolsa Família. Os números prosseguem: 9,6 milhões do Bolsa Família estão com o dinheiro disponibilizado pelo governo e 13,1 milhões que se cadastraram pelo aplicativo ou pelo site auxilio.caixa.gov.br.

Mais de 45,9 milhões de interessados

Entre informais, desempregados, microempreendedores individuais e autônomos, 45,9 milhões fizeram o cadastro em busca do auxílio.

O site auxilio.caixa.gov.br traz números surpreendentes de acesso. Passou de 275,4 milhões, segundo informações do banco. A central telefônica 111 contabilizou mais de 62,5 milhões de ligações. E o aplicativo auxílio emergencial Caixa superou os 55 milhões de downloads. O Caixa Tem, dispositivo de movimentação de poupança digital, ultrapassou os 37,2 milhões de downloads.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!