Em meio à pandemia da covid-19, a PRF (Polícia Rodoviária Federal) lançou uma campanha para motivar as pessoas a doarem sangue nesse período de proliferação do vírus. De acordo com informações cedidas pelo jornal G1, a iniciativa começou no estado do Piauí.

Pelo fato da grande quantidade de enfermos, o estoque de sangue caiu 50% nos hemocentros de Piauí. Com intuito de aumentar o estoque, policiais rodoviários federais fizeram um desafio do bem e incentivam o outro policial a doar o sangue, para que isso se torne uma corrente do bem em prol da população brasileira. A iniciativa começou nesta terça-feira (14), mas a campanha irá ter um destaque maior nesse período de pandemia, já que existem muitas pessoas necessitadas de receberem sangue.

"A ideia da campanha é incentivar e até estimular a doação de sangue, devido ao baixo estoque no Hemopi neste período de isolamento social. Até o momento, 20 agentes já doaram sangue", contou um dos policiais envolvidos na campanha. No momento, essa corrente está sendo feita entre os policiais da PRF, mas outras pessoas podem participar.

De acordo com últimas informações do Ministério da Saúde, cerca de 1.760 foram vítimas fatais e 29.015 casos foram confirmados. Rio de Janeiro e São Paulo são os estados mais afetados com a pandemia.

Ações solidárias

Um ato de solidariedade foi registrado no Rio de Janeiro. Um homem identificado como Raimundo Nonato, 56 anos, estava em uma fila para regularizar o CPF com intuito de receber um auxílio dado pelo governo.

Uma equipe do "Bom Dia Rio", da Rede Globo, entrevistou ele ainda na fila.

Durante a entrevista, Raimundo relatou que estava passando por situações de dificuldade financeira, já que não estava conseguindo trabalho em meio à paralisação das atividades profissionais impostas pelo atual governo. O mestre de obras também chegou a dizer que não teria se alimentado direito por falta de dinheiro.

Diante disso, pessoas que moram próximas à localidade se comoveram com o senhor de idade e foram até ele para dar alguns alimentos.

A vizinha de prédio levou café. O policial militar que estava saindo do plantão levou comida para quem estava na fila. E Severino Antônio Santos, pintor que também trabalha na construção civil, se emocionou com o depoimento do colega e foi lá oferecer ajuda.

Uma forte corrente de solidariedade foi realizada em prol das dificuldades apresentadas pelo mestre de obras.

Durante a entrevista ele também chegou a argumentar que o auxílio de R$ 600 seria para ajudar sua filha que faz medicina em uma faculdade pública, tendo em vista que o preço dos materiais são bastante elevados.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!