Carros de som passam pelas ruas de Xaxim, no estado de Santa Catarina, falando em idioma francês e crioulo-haitiano, pedindo atenção aos imigrantes e orientando que todos que estejam com sintomas de gripe entrem em contato com as unidades de Saúde.

Uma cidade pequena, com 28 mil habitantes, Xaxim tem 4 mil imigrantes haitianos vivendo e trabalhando no local. O objetivo da prefeitura é que a mensagem alcance o maior número de pessoas possível. As informações são da BBC News Brasil.

Imigrantes

Muitos destes imigrantes buscam no Brasil uma oportunidade de ajudar a família no país de origem, e os frigoríficos acabam sendo muitas das vezes o caminho mais fácil pela demanda de contratações.

O setor é hoje o responsável por empregar grande parte dos estrangeiros que vivem no país.

O grande problema durante a pandemia é que muitos frigoríficos do país sofrem com a pandemia do novo coronavírus, sendo considerados inclusive epicentros de contaminação, facilitando a chegada do vírus no interior do Brasil.

O problema dos frigoríficos não é exclusivo do Brasil. Outros países apresentam a mesma situação, entre eles Estados Unidos, Espanha e França.

O ambiente de trabalho em si favorece os surtos de contaminação. O local é úmido, com baixas temperaturas e sons muito altos, que fazem com que os funcionários precisem se comunicar muito próximos ou falando excessivamente alto.

A situação, que já é preocupante para os brasileiros, se torna muito mais complicada para os imigrantes estrangeiros, que, além da dificuldade de comunicação, por não falarem o idioma português, na maioria das vezes dividem moradia entre muitas pessoas no objetivo de reduzir gastos, o que faz com que essa aglomeração os exponha a maior risco de contaminação.

A gerente de saúde do trabalhador da DIVS/SUV/SES, Regina Dal Castel Pinheiro, declarou à BBC News Brasil que a equipe chegou a visitar residências de haitianos no município de Concórdia. De acordo com ela, além de morarem em grupos, muitas vezes faltam condições adequadas de higiene.

Santa Catarina

Em Santa Catarina, 3.132 profissionais foram contaminados pelo coronavírus em 31 frigoríficos diferentes.

Destes, 50 foram internados e dois óbitos foram registrados, sendo um deles um imigrante haitiano de 48 anos que residia na cidade de Xaxim.

No Brasil existem cerca de 500 mil trabalhadores no ramo e pelo menos metade deles se concentra na região Sul do país. De acordo com registros do MPT, ao todo, já foram registrados 11.500 casos de contaminação pelo coronavírus em 107 diferentes frigoríficos em todo o Brasil.

O local exato onde os contaminados trabalham não é divulgado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e nem pelo Ministério da Saúde, o que torna impossível identificar quantos dos 11 mil casos positivos estão centralizados no Sul.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Saúde
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!