Um caso de agressão grave aconteceu no Hospital Irmã Dulce, localizado em Praia Grande, no litoral de São Paulo. Um rapaz de 19 anos estava internado na ala psiquiátrica do hospital quando foi fortemente agredido por seu colega de quarto. O jovem Thiago Barduco foi internado no dia 30 de setembro, após uma crise depressiva, no entanto, ele estava finalizando o tratamento e ganharia alta um dia após a agressão.

Agressões

Devido à pandemia do novo coronavírus, Thiago ficou internado sem acompanhantes familiares. Segundo informações do hospital, o colega de quarto de Thiago conseguiu se soltar da maca e iniciou as agressões.

O jovem desferiu golpes na cabeça da vítima que acabou sofrendo diversos cortes na região, lesões cerebrais e fraturas no rosto.

Pedido de ajuda

Uma tia de Thiago se manifestou em suas redes sociais no intuito de pedir ajuda ao sobrinho, alegando que ele precisa voltar para a Unidade de Terapia Intensiva e que os familiares estão desesperados com a situação. De acordo com ela, Thiago está no quarto onde não apresenta nenhum tipo de melhora em seu quadro clínico.

Por outro lado, a equipe hospitalar informou, através de uma nota, que o jovem saiu da UTI justamente por ter apresentado melhora em seu estado de Saúde.

Michele Barduco relatou ainda que, após sofrer as agressões, Thiago ficou completamente irreconhecível sendo encaminhado para um leito na emergência e não na UTI.

As agressões resultaram em quadro convulsivo, o que levou os familiares a brigarem para que ele fosse levado a Unidade de Terapia Intensiva. Após insistência da família, o hospital conseguiu uma vaga.

Quadro clínico

Apesar da nota enviada pelo Hospital Irmã Dulce, Michele alega que Thiago ganhou alta da UTI e foi encaminhado novamente para um quarto na última segunda-feira (12).

A tia destaca ainda que a permanência do jovem no quarto está agravando seu estado clínico.

Ainda nas redes sociais, a tia desabafou e relatou que Thiago não apresenta reflexos com os olhos, não faz mais sinais com a cabeça e seu rosto está com o lado direito paralisado. Para ela, o fato de o sobrinho estar nesta situação e não ter um leito na UTI significa um grande descaso por parte da instituição de saúde.

Justiça

O agressor acabou ganhando alta hospitalar e Michele pede para que a justiça seja feita. A tia pretende solicitar o histórico médico junto ao hospital para ter certeza que o agressor realmente tenha algum tipo de transtorno mental e psicológico.

Ela afirmou ainda que, caso ele não tenha comprovação de um quadro psiquiátrico, lutará para que ele seja preso, pois sua atitude configura uma tentativa de homicídio. Ao se emocionar durante o vídeo postado, ela diz que o agressor tentou matar Thiago e que este caso não pode ficar impune.

Siga a página Polícia
Seguir
Siga a página Saúde
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!