A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), após aprovar a importação de 2 milhões de doses da vacina de Oxford para combater a Covid-19, pela Fiocruz, agora exige da fundação os últimos documentos necessários para o uso emergencial da vacina no Brasil.

A Fiocruz visa antecipar a vacinação para janeiro, já que as doses que estão produzindo só ficarão prontas em fevereiro. Para isso, solicitou, nos últimos dias, a autorização da Anvisa para importar do Serum Institute, na Índia, cerca de 2 milhões de doses prontas da vacina de Oxford.

Fiocruz deve provar semelhança entre vacinas da Índia e Reino Unido

A Anvisa solicita que a instituição mostre os dados contendo os componentes do imunizante para comprovar que a vacina é a mesma usada no Reino Unido. A vacina será importada do fabricante Serum Institute, situado na Índia.

A agência informou que esse cuidado é necessário para verificar a semelhança na produção entre os dois fabricantes, já que a britânica obteve os dados clínicos aprovados. Segundo a Fiocruz, o pedido para uso emergencial do imunizante no Brasil será feito até a próxima quarta-feira (6). Nesta segunda-feira (4), representantes da Anvisa e da Fiocruz se reuniram para discutir os detalhes.

Governo indiano veta exportação, diz CEO

O CEO do Serum Institute, na Índia, disse às agências de notícias internacionais que o país não irá permitir que haja exportação das doses da vacina até março de 2021.

Sabe-se que a farmacêutica foi contratada para produzir cerca de 1 milhão de doses para países em desenvolvimento, a exemplo do Brasil. Com essa medida a Fiocruz está tentando reverter o veto.

Fiocruz visa reverter bloqueio da Índia

Neste domingo (3), o Governo indiano lançou um possível veto às exportações de vacinas da Covid-19 produzidos pela farmacêutica Serum Institute.

Segundo dirigentes da Fiocruz, a melhor maneira de solucionar essa barreira é buscando uma solução diplomática via Itamaraty e Ministério da Saúde para que as doses sejam liberadas e por fim possam chegar ao Brasil para dar início a imunização da população.

Diante disso, ainda não se sabe qual o impacto da medida no acordo de obtenção das 2 milhões de doses da vacina.

Governo aposta na vacina Oxford/AstraZeneca

A Fiocruz visa produzir cerca de 100 milhões de doses da vacina, mas o governo visa acelerar o processo de vacinação através da aquisição de 2 milhões de doses da Oxford importada da Índia. Estima-se que a campanha iniciará em fevereiro com conclusão ainda no primeiro semestre de 2021.

A tentativa de conseguir as vacinas para o Brasil diz respeito à confiança que o governo brasileiro depositou na universidade, na farmacêutica e na Fiocruz, mas acima de tudo na eficácia que o imunizante está surtindo em outros países.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Política
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!