A vice-prefeita do município de Budhinanda, Shristi Regmi, cidade localizada no noroeste do Nepal, tem a incumbência de visitar as aldeias da região para colocar fim ao "Chhaupadi", a antiga e tradicional prática de manter as mulheres isoladas durante o período de menstruação em abrigos rudimentares.

Shristi Regmi, de 26 anos, busca resgatar a autoestima de mulheres vítimas desse costume milenar que levam meninas e mulheres a saírem de suas casas durante o período menstrual e se refugiarem em abrigos, muitas vezes construídos pela própria família.

A prática é proibida há mais de dez anos no Nepal, país asiático com população estimada em 29 milhões e trezentos e cinco mil habitantes, no entanto, as comunidades mais tradicionais ainda preservam o hábito.

O fim da prática do exílio das mulheres menstruadas no país

A morte de Amba Bohara, de 35 anos, e de seus dois filhos, um de 12 e outro de 9 anos, foi o estopim para o governo nepalês proibir a prática do "Chhaupadi", a milenar tradição hindu. A mulher e seus filhos foram as vítimas mais recentes desse evento.

Na gélida noite de 08 de janeiro, Bohara, em período de menstruação, foi levada junto com seus filhos a um alpendre sem janelas ou frestas, para aquecer o ambiente, a Mulher ascendeu uma fogueira, a família morreu queimada.

A sogra de Amba Bohara encontrou os corpos dos familiares no dia seguinte, quando foi fazer uma visita a nora e aos netos. A polícia informou que a principal causa das mortes foi à asfixia, causada pela fumaça no interior do ambiente.

Depois da tragédia, o governo do país ordenou o fechamento de 80 espaços criados para essa finalidade em diversas aldeias espalhadas pelo país de pouco mais de 147 mil quilômetros quadrados.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Saúde Mulher

Em entrevista concedida à agência Efe, a vice-prefeita Regmi, declarou que o "Chhaupadi" é uma prática de cunho religioso que tem um aspecto muito negativo e que já provocou a morte de muitas mulheres em todo o país.

Para a tradição hindu, durante o período menstrual e no pós-parto, as mulheres se tornam impuras e são proibidas de entrar ou permanecer em suas próprias casas e templos. Durante o período de menstruação, segundo a tradição hindu, as mulheres também não poder tocar em outras pessoas, em animais, comidas ou plantas.

O acesso à água e a poços também é limitado, pois, para o hinduísmo, se uma mulher "impura" tocar na água, o poço secará ou ainda se tocar em uma fruta, as demais cairão antes mesmo de amadurecem. Às mulheres praticantes do Chhaupadi são destinadas torneiras separadas para que possam se banhar e lavar suas roupas.

Medidas do governo para coibir a prática

O governo nepalês afirmou que cortará os benefícios das famílias que continuarem a preservar o hábito. As famílias que não cumprirem a determinação poderão perder o direito ao vencimento proveniente da aposentadoria, além de terem o pedido de passaporte negado e o impedimento de concorrer a cargos públicos.

Regmi afirmou que dados de quem demoliu os Chhaugoth estão sendo reunidos, quanto aos que não fizeram o pedido de demolimento terão os nomes publicados e poderão sofrer as medidas previstas.

Policiais foram destinados para ajudar nos trabalhos de inspeção, a expectativa é de que até 120 locais destinados à prática sejam fechadas nos próximos dias.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo