A cada semana que o consumidor chega ao supermercado se depara com o aumento dos preços de alguns alimentos da cesta básica, e fazer economia nas compras está cada vez mais difícil. Consumidores vêm tentando entender o real motivo para que alimentos tão essenciais na mesa dos brasileiros como o arroz, feijão e o óleo de soja disparassem nas prateleiras dos supermercados. Diante dessa realidade, a economia é o único recurso para tentar driblar a alta dos preços.

Aumento abusivo

O governo exige explicações de supermercados sobre o aumento abusivo dos preços de alguns itens da cesta básica. A Senacon (Secretaria Nacional do Consumidor), do Ministério da Justiça, deu prazo de cinco dias para que a Abras ( Associação Brasileira de Supermercados) apresente uma declaração e responda por qual motivo os preços dos alimentos, principalmente os que correspondem à cesta básica, aumentaram tanto nesses últimos meses.

O Ministério da Justiça aguarda as explicações de cooperativas e de 65 redes varejistas.

Encontro com o presidente

O presidente da Abras, João Sanzovo Neto, reuniu-se com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no Palácio do Planalto e sugeriu que a população faça algumas substituições nas compras de produtos e citou o arroz e o macarrão.

Segundo Sanzovo, substituir o arroz, que está com o preço elevadíssimo, pelo macarrão seria uma alternativa para fazer uma pequena economia neste momento de crise.

Durante o encontro com o presidente Jair Bolsonaro, Sanazon declarou que irá apresentar ao governo todos os relatórios onde estão registrados as oscilações dos produtos e disse ainda que as redes de supermercados farão uma campanha nacional para estimular a troca.

Além disso, orientou também que a população não faça estoque de alimentos, pois, segundo o presidente dos supermercadista, essa atitude dificultará ainda mais a situação atual.

Bolsonaro pede patriotismo

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que tudo está sendo normalizado e que o setor varejista está de acordo com a redução dos preços da cesta básica e fez um apelo para que haja mais "patriotismo" e que a alta dos preços destes alimentos não seja repassada à população brasileira, que já está tão prejudicada.

Economia

Diante do desafio de economizar nas compras e não comprometer a alimentação, especialistas aconselham que sejam feitas algumas mudanças na rotina de consumo.

A planejadora financeira e professora de Economia Comportamental na ESPM SP Paula Sauer foi ouvida pelo jornal Extra, onde deu algumas dicas que podem ajudar a equilibrar o orçamento.

São elas:

  • Comprar produtos de marcas mais em conta, porém, que ofereçam a mesma qualidade;
  • Substituir o arroz por outro cereal nas receitas;
  • Adquirir produtos a granel, pois dessa forma, é possível escolher a quantidade que quer consumir;
  • Pesquisar preço dos produtos em diferentes supermercados.
Siga a página Negócios
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!