O ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, fez uma declaração ao jornal Valor Econômico, na terça-feira (3), em Brasília, negando o golpe militar de 1964. Vélez disse ainda que não houve uma ditadura militar no Brasil e que os livros didáticos deverão ser alterados para expor uma "versão mais ampla" sobre a história.

Na entrevista, ele chegou a afirmar que haverá "mudanças progressivas" nos livros didáticos, a fim de refletir um resgate do passado. Para o ministro, o que ocorreu entre 1964 e 1985 foi um "regime democrático de força".

A afirmação do colombiano naturalizado brasileiro foi criticada por historiadores e é parte de um movimento revisionista que se tornou oficial com a eleição do Governo de Bolsonaro. Esta não é a primeira declaração polêmica de Vélez, cuja permanência à frente do Ministério da Educação (MEC) ainda é incerta.

O que pesquisadores dizem

Na verdade, o resgate histórico por parte dos pesquisadores especializados tem, até hoje, reiterado o caráter ditatorial do regime militar brasileiro. O que se sabe a partir de suas publicações é que, além das prisões arbitrárias, torturas e assassinatos, foi precisamente durante o período que a corrupção se institucionalizou no governo do país, na medida em que a censura garantia que notícias do tipo não fossem divulgadas.

No livro "Os porões da contravenção", lançado em 2015, os jornalistas Aloy Jupiara e Chico Otavio explicam como o jogo do bicho se valeu da ditadura para crescer. Ainda segundo os autores, há grandes suspeitas, entre agentes públicos, de que escolas de samba ligadas a bicheiros foram usadas para lavagem de dinheiro. O livro conta com entrevistas com historiadores, advogados e pessoas que participaram de diversos esquemas à época.

Já naquele período haviam suspeitas do envolvimento de Paulo Maluf com a corrupção, além do excesso de mordomias gozadas pelos governantes, bancadas com dinheiro público.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Governo Educação

A Comissão Geral de Investigações (CGI), criada com o objetivo de punir corruptos, foi direcionada apenas à oposição, mas arquivou processos contra José Sarney e Antônio Carlos Magalhães, por exemplo.

Em relação às torturas, de acordo com o livro, foram vítimas não apenas guerrilheiros e militantes, mas também militares, a exemplo de Rui Moreira Lima. Piloto de caça durante a Segunda Guerra Mundial, o brigadeiro foi deposto e teve sua família perseguida por se opor ao golpe de 1964.

Apesar de, oficialmente, a Comissão da Verdade reconhecer 434 mortes por perseguição política durante o período, uma matéria da Revista Istoé, publicada em 2012, aponta indícios de que o número foi 3,5 vezes maior.

Instabilidade no MEC

Indicado pelo escritor e astrólogo Olavo de Carvalho, desde que assumiu o cargo, o ministro coleciona decisões das quais recuou após ser questionado. Além de ter nomeado e demitido, em pouco tempo, diversas pessoas, Vélez mostra inclinações ideológicas em suas tentativas de gerir o MEC.

Durante a Comissão de Educação na Câmara, no dia 27 de março, o ministro teve sua renúncia ou demissão solicitada por vários dos deputados presentes. Com a imagem desgastada, Vélez ainda precisa lidar com as dificuldades de viabilizar o ENEM este ano, após a gráfica responsável pela impressão e logística da prova, RR Donnelley, decretar falência e fechar suas portas.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pelo exame, já passou por quatro trocas de presidência apenas este ano. Apesar das mudanças, em nota, o órgão garantiu a manutenção das provas, previstas para acontecer em novembro. A impressão do ENEM deveria começar em maio, mesmo período para o qual estão marcadas as inscrições (que vão do dia 6 ao dia 17).

Embora Vélez seja considerado, por diversos parlamentares, inepto para o cargo, a ministra Damares Alves o elogiou nesta terça (2).

No lançamento da Frente Parlamentar em Defesa do Homeschooling, ela o chamou de "extraordinário" e agradeceu a Deus por sua atuação.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo