No dia 13/03/2020 completou-se um ano de uma página triste no sistema educacional do Brasil: dois jovens planejaram, invadiram e mataram oito pessoas. A maioria era estudante e duas delas eram funcionárias. Em seguida, um dos assassinos atirou no comparsa e depois se suicidou.

A cena descrita sucintamente aconteceu na Escola de ensino fundamental Raul Brasil, situada na cidade de Suzano, região metropolitana de São Paulo.

De lá para cá, algumas coisas mudaram e no nível governamental, a Secretaria de Educação busca acelerar a implementação de medidas de segurança nas instituições de ensino.

Uma dessas medidas corresponde a uma maior integração entre a Secretaria de Segurança Pública e a Polícia Militar do estado de São Paulo.

Fora da esfera hierárquica, existe a promessa de novas câmeras de segurança nas escolas e a instalação de redes wi-fi que facilitem o acesso remoto às imagens do circuito interno.

Segundo informações, o governo estadual tem uma verba orçada em R$ 1,1 bilhão para atender cerca de 1.300 escolas, mas não é só isso que agita a mobilização. Na sala de aula, haverá a inclusão de uma disciplina denominada “Projeto de Vida”.

A intenção é debater assuntos como o bullying e quais são os desejos e os sonhos acalentados pelos jovens. Assim, Rossieli Soares, secretário da pasta da Educação, entende que a instituição de ensino se aproxima e incentiva o aluno a crescer na vida. Essa mudança de caráter pedagógico aconteceu em todas as unidades de ensino para aqueles que estão cursando o 6º ano até o fim do ensino médio.

Outra ação na área educacional concentra-se na criação de grupos formados por psicólogos e assistentes sociais para que se incremente e desenvolva trabalhos na rede de ensino.

Isto ainda não está em prática porque depende de uma resolução legal a ser publicada em breve.

Enquanto isso, em Suzano

No caso específico da Raul Brasil, várias reformas foram concluídas ou estão próximas disso. A ênfase das melhorias passa pela ampliação dos espaços de convivência e reforço na segurança. Houve a demolição e reconstrução de salas de aula, dos banheiros, do Centro de Idiomas e da cantina.

O laboratório de Informática e da Sala de Leitura também foram reformados.

Dentro da própria escola Raul Brasil, prevê-se um espaço de 1.500 metros quadrados destinados ao uso comunitário. Esta área contará com paisagismo, prática de esportes e bicicletário.

A Prefeitura de Suzano realizou na sexta-feira, 13/03, uma iniciativa junto com a população em favor da cultura e da paz na sociedade. Exibiu-se um vídeo mostrando crianças que escreveram suas aspirações em cartões. Estes cartões comporão uma instalação de cunho artístico situada no Parque Max Feffer, o qual fica distante cinco quarteirões da escola Raul Brasil.

Em frente ao portão da escola, jovens, pais e amigos fizeram muitas orações e tocaram violão. Os participantes ocuparam a calçada e todos ficaram de mãos dadas.

Uma mãe de três filhas (todas frequentadoras da unidade escolar) relata que fica de coração apertado quando as deixa na porta. Ela pede proteção de Deus para elas por meio de uma prece que não é vocalizada e sim, internalizada em pensamento.

Um aluno de 17 anos relembra os bons tempos antes da chacina. Ele comentou que a convivência era boa e descontraída. Depois do ataque, é difícil esquecer o que ocorreu. Retomar a rotina foi duro e alguns de seus colegas, no início, eram acometidos por crises de pânico.

Término da reforma

A revitalização da escola Raul Brasil está ritmo avançado e a Secretaria estadual de Educação comunicou que cerca de 90% do projeto foi executado. As obras devem ser completamente concluídas no mês que vem (abril). O custo do projeto é estimado em R$ 3,1 milhões e vem sendo financiado com o apoio e a ajuda de parceiros da iniciativa privada.

Não perca a nossa página no Facebook!