Casos de uma nova doença atingido crianças foram registrados no Brasil. A possível relação entre a nova síndrome inflamatória e o novo coronavírus despertou um alerta nos órgãos de Saúde.

O Ministério da Saúde já realizou um comunicado de acompanhamento dos casos. Um alerta, inclusive, foi emitido e existe uma comunicação direta entre o ministério e as secretarias de saúde dos estados e municípios brasileiros.

Ainda não existe comprovação de ligação direta entre as doenças, ou seja, que uma possa causar em virtude da outra, mas as comunidades já estão em alerta para acompanhar o desenvolvimento da síndrome no país.

SIM-P

De acordo com informações do Ministério da Saúde, a SIM-P, síndrome inflamatória multissistêmica, ocorre em crianças entre 7 meses e 16 anos. O total de 71 casos já foram registrados no Brasil. O último levantamento foi realizado no mês de julho.

As regiões que registraram os casos foram Ceará, com 29 casos, Rio de Janeiro, 22, Pará, 18 e Piauí, dois. Óbitos também foram causados pela síndrome. As três mortes registradas ocorreram no estado do Rio De Janeiro.

A SIM-P não é exclusiva do Brasil. Outros países do mundo já registraram mais de 300 casos da doença, entre eles Estados Unidos, França, Canadá, Espanha e Itália.

Sintomas

Os sintomas que marcam a síndrome são febre persistente, queda de pressão, inflamações nos olhos, como conjuntivites, manchas na pele espalhadas pelo corpo, dores abdominais, vômitos e náuseas, incluindo problemas respiratórios.

Alguns destes sintomas são correspondentes com um quadro de contaminação por coronavírus. Ambas as doenças causam febre, conjuntivite, diarreia, manchas no corpo e problemas respiratórios.

Ainda que não exista comprovação eficaz de que uma é causada pelo outra, os órgãos de saúde revelam que boa parte dos pacientes acometidos pela SIM-P estão contaminados com Covid-19 ou já apresentaram um quadro de recuperação da doença.

Um estudo está sendo realizado no Pará, através do Instituto Evandro Chagas, para confirmar ou não a relação entre as doenças. Um grupo de 11 crianças entre sete meses e 11 anos estão passando por avaliações.

Pediatria

Uma nota de alerta foi lançada pela Sociedade Brasileira de Pediatria no mês de maio, quando apresentou os critérios de identificação da SIM-P, informando que o diagnóstico positivo para coronavírus não era necessário para identificação da síndrome.

O tratamento é realizado através de antibióticos, uso de máscara de proteção, realização de exames complementares, monitoração cardiorrespiratória e do miocárdio.

Mistério

Especialistas ainda não sabem explicar porque esta síndrome atinge apenas crianças, nem mesmo porque algumas são acometidas e outras não. Os Estados Unidos também realizam estudos em torno do assunto. A pesquisa em grande proporção reunirá 6 mil crianças.

Ainda de acordo com especialistas, o quadro da SIM-P é muito parecido com a raríssima Síndrome de Kawasaki, uma inflamação sistêmica de origem desconhecida mais comum em regiões da Ásia.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Saúde
Seguir
Siga a página Ciência
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!