Um incêndio atingiu nesta quinta-feira (21) o Instituto Serum, localizado na cidade indiana de Pune. A farmacêutica vem fabricando a vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela AstraZeneca e a Universidade de Oxford.

Segundo informações divulgadas pelo jornal Times of India, o local onde são produzidas e armazenadas as vacinas contra a Covid-19 não foi afetado pelas chamas. Ao todo o laboratório consegue fabricar 50 milhões de vacinas por mês, somando todas as unidades do instituto.

O instituto faz planos para começar a fabricar imunizantes criados pela Novavax, uma empresa norte-americana.

Adar Poonawalla, o diretor-executivo do laboratório, comentou sobre o ocorrido e disse que a parte que foi atingida pelas chamas produz imunizantes contra o rotavírus e acrescentou que talvez tenha uma baixa de 40% na produção das doses neste setor.

Nas redes sociais, Poonawalla fez questão de informar às pessoas sobre o incêndio, dizendo que houve 5 mortes e lesões causadas pelas chamas. Ele também agradeceu pelas orações e preocupações das pessoas quanto ao ocorrido e que alguns andares foram afetados.

TV local falou sobre o incêndio

Imagens do prédio com fumaça cinza começaram a circular pelas emissoras de TV do país informando que havia um incêndio no laboratório indiano. O Corpo de Bombeiros local também falou sobre a operação e que foram usados 5 caminhões-tanque para impedir as chamas de se alastrarem pelo prédio, mas no final o fogo acabou sendo controlado. Sobre as causas do incêndio, ainda não se tem informação do que pode ter ocorrido.

O Instituto Serum é considerado o maior produtor de imunizantes do mundo, chegando a fabricar 1,5 bilhão de vacinas contra diversas doenças, de poliomielite a caxumba.

É previsto que em cada dez doses que são aplicadas em pacientes no mundo, seis foram produzidas pela Serum.

O laboratório está produzindo vacinas para seis países no momento e é neste instituto que serão fabricadas parte das doses da vacina contra o coronavírus que serão aplicadas no Brasil.

O Brasil espera receber 2 milhões de doses do medicamento.

Há poucos dias uma crise sanitária em Manaus se instalou por falta de alguns insumos hospitalares, como o oxigênio que estava sendo usado para tratar pacientes com Covid-19. Uma aeronave alugada pelo governo brasileiro estava pronta para ir buscar as doses da vacina, mas teve que ser realocada para atender as necessidades de Manaus, como levar insumos e realizar a transferência dos pacientes para outros hospitais no Brasil.

Recentemente a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso emergencial das vacinas Oxford/AstraZeneca e CoronaVac no Brasil. A CoronaVac está sendo produzida no Brasil, pelo Instituto Butantan, em São Paulo. A vacinação já foi iniciada em todo Brasil.

Siga a página Ciência
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!