Durante a cerimônia de troca de comando do Exército, momentos de emoção foram verificado no ambiente. O então comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, se emocionou durante a transmissão de seu cargo de chefe da instituição. A mudança de condução do Exército ocorreu nesta sexta-feira (11), em Brasília. O evento contou com a presença de diversas autoridades, como o presidente da República, Jair Messias Bolsonaro.

O discurso do general Villas Bôas rememorou o ano passado. De acordo com o general, "o ano de 2018 foi desafiador para as instituições brasileiras e também para a identidade nacional do país". Vale lembrar que a cerimônia na capital federal marcou o início do comando do Exército brasileiro sob o general Leal Pujol.

Emoção em despedida de Villas Bôas

Ao realizar o seu discurso, o general Eduardo Villas Bôas elogiou o presidente da República, Jair Bolsonaro.

Ele afirmou que o presidente Jair Bolsonaro "tirou o Brasil da amarra ideológica que acabou sequestrando o livre pensar".

O militar concluiu ainda que o presidente Jair Bolsonaro teria "trazido a renovação necessária e a liberação das amarras ideológicas, caracterizadas por sequestrar o livre pensar, além de terem nublado o discernimento e induzido a um pensamento único e nefasto, conforme assinala o jornalista norte-americano Walter Lippmann: quando todos estariam pensando do mesmo modo, é porque ninguém está pensando", disse em seu discurso o general Villas Bôas.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

Ao final de seu discurso, o general finalizou com a célebre frase: "Brasil, acima de tudo". Na despedida, o general Vllas Bôas chorou e foi abraçado pelo presidente Jair Bolsonaro. Com problemas de saúde, o ex-comandante do Exército faz uso de aparelho mecânico para respirar.

Ele adentrou o ambiente em uma cadeira de rodas, sendo auxiliado por um ajudante. O general Villas Bôas fez todo o seu discurso com um microfone preso à cabeça.

O militar padece de uma doença de caráter neuromotora degenerativa.

Dentre as autoridades que se encontravam presentes no local da cerimônia, estava, além do presidente Jair Bolsonaro, o vice-presidente Antonio Hamilton Martins Mourão, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro José Antonio Dias Toffoli, o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, além de comandantes do Exército.

Também se encontravam alguns ministros do Governo Bolsonaro, como o ministro-chefe do Gabinete de Segurana Institucional, general Augusto Heleno, e o ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo