Uma crise parece adentrar o Palácio do Planalto, em Brasília. O atual secretário-geral da Presidência da República, Gustavo Bebianno, se manifestou durante entrevista à imprensa em relação ao escândalo das candidaturas "laranjas" nos estados de Minas Gerais e Pernambuco.

Vale ressaltar que a entrevista concedida à revista Crusoé denota que o secretário encontra-se incomodado com o tratamento que lhe é dispensado pelo presidente da República, Jair Messias Bolsonaro e também pelo filho, Carlos Bolsonaro. Tanto o presidente, quanto seu filho atacaram publicamente Gustavo Bebianno.

Publicidade
Publicidade

Bebianno não teme as investigações que pesam contra ele

Ao se sentir acuado pelas acusações, o secretário-geral da Presidência da República assegurou que não estaria temeroso em relação às apurações no que tange à construção de candidaturas consideradas "laranjas" e que teriam recebido altas quantias de fundo público partidário, conforme revelado pelo jornal Folha de S.Paulo.

Gustavo Bebianno foi taxativo ao afirmar que não seria um moleque e que o presidente Bolsonaro sabe disso.

Publicidade

Em seguida, Bebianno concluiu: "o presidente está com medo de receber algum respingo", conforme relatado pela revista Crusoé. O secretário-geral da Presidência da República chegou a ser "braço-direito" do então candidato ao Palácio do Planalto, Jair Bolsonaro, principalmente no período em que foi realizada a campanha eleitoral para o comando do país.

Gustavo Bebianno garantiu, no entanto, que não irá se demitir até que possa falar diretamente com o presidente da República.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

Ele disse ainda que estaria triste e sem palavras para definir o tamanho de toda a decepção.

Porém, o ministro criticou a declaração dada pelo presidente ao "Jornal da Record". Na ocasião, Bolsonaro admitiu que seria uma possibilidade demitir o secretário Bebianno e "fazê-lo voltar às origens". O ministro assegurou que havia se comunicado com o presidente da República na última terça-feira (12) várias vezes durante o dia e que teria recebido orientações por parte do mandatário brasileiro, além de conversas relacionadas a assuntos de caráter institucional.

Ao se referir ao filho do presidente, vereador Carlos Bolsonaro, Bebiano disse que Carlos não seria nada no Governo e que ele (Bebianno), tem que respeitar a liturgia de seu cargo, já que ele é um ministro do governo. Bebianno chefia a Secretaria-Geral da Presidência.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo